`Start up` holandesa quer massificar produção de energia a partir de plantas

| Economia

A `startup` holandesa Plant-e.com está na cimeira tecnológica Web Summit, em Lisboa, para tentar angariar investidores no sentido de internacionalizar a sua ideia "demasiado boa para ser verdadeira": produzir energia a partir das plantas.

Criada em Wageningen, na Holanda, em 2013, por Marjolein Helder, uma especialista em tecnologia ambiental, a companhia quer contribuir para minorar os problemas ambientais e energéticos do planeta, definindo-se como "parte da solução" por ser uma plataforma "sustentável, limpa e que produz de forma contínua".

"Fiz o meu doutoramento baseado nesta tecnologia e ao fazer a pesquisa decidi criar uma empresa. Decidimos não incluir logo outros investidores nos primeiros tempos para podermos crescer com os pés assentes na terra, mas, agora, é tempo de crescer, aumentar a escala de produção e criar projetos a nível internacional. Para isso, precisamos de cerca de três milhões de euros", sublinha.

Em declarações à Lusa, Marjolein Helder, de 35 anos, explica que o processo energético passa pelos "neutrões libertados na produção de matéria orgânica" dentro do canteiro de plantas. A banca da própria `startup` distingue-se da maioria de companhias aqui presentes: não há computadores, monitores ou tablets, apenas um pequeno canteiro com plantas verdadeiras e `led`s` integrados na terra, que se acendem com o carregar de um botão.

"Este canteiro consegue apenas acender alguns `led`s`, mas estimamos que um hectare possa vir a alimentar o consumo de energia de diversas casas. No entanto, a minha visão não é quanta energia vamos criar, é o quão benéfica esta tecnologia pode ser para o ambiente. Queremos também dar valor a terras que não são atualmente valorizadas", acrescenta.

Presente pela primeira vez na Web Summit, a `startup` holandesa faz um balanço positivo do trabalho realizado na cimeira tecnológica, apesar do "caos" do primeiro dia, realçando o encontro de investidores que partilharam a visão ambiental e energética da companhia.

Num tempo marcado pelas alterações climáticas, pela incerteza da produção energética através de combustíveis fósseis e pela contestação de alguns países, como os Estados Unidos da América, ao Acordo de Paris, Marjolein Helder aponta múltiplos benefícios para a sua tecnologia.

"Se conseguirmos dar escala a esta tecnologia, poderemos, por exemplo, ter campos de arroz a funcionarem com a sua própria energia e abastecendo os seus próprios meios de produção. Não produz carbono, torna o planeta mais verde e é uma fonte contínua de energia. Parece demasiado bom para ser verdade".

Tópicos:

Helder, Paris, Wageningen Holanda, Web Summit Start,

A informação mais vista

+ Em Foco

O criador dos óculos de realidade virtual está a desenvolver tecnologia que vai transferir jogos de vídeo para os campos de batalha.

Reunimos aqui reportagens sobre as forças de elite portuguesas, emitidas por ocasião dos 100 anos do Armistício que pôs fim à I Guerra Mundial.

    O coração de Lisboa foi palco do maior desfile militar dos últimos 100 anos no país, por ocasião do centenário do Armistício que pôs fim à I Grande Guerra.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.