TAP prestes a recuperar divisas retidas em Angola, diz Augusto Santos Silva

| Economia

|

O ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), Augusto Santos Silva, afirmou hoje que o governo angolano está a tomar medidas para permitir o acesso de empresas portuguesas a divisas internacionais, devendo resolver "brevemente" o problema da TAP.

Augusto Santos Silva, que se encontrou na segunda-feira com o chefe da diplomacia angolana, Manuel Domingos Augusto, fez um balanço "muito positivo" da reunião que permitiu avançar com vários dossiês, à margem do 1.º EurAfrican Forum, que está a decorrer em Cascais.

Em relação à transferência de divisas, destacou o papel "muito importante" do Banco Nacional de Angola, que "tem tomado medidas" para que as empresas que tinham receitas retidas em Angola por dificuldade de acesso a divisas internacionais vejam o seu problema resolvido.

"É designadamente o caso da TAP", disse o ministro, acrescentando que Angola prevê que o processo relativo à TAP "esteja finalizado muito brevemente".

O jornal Público noticiou, em abril, que a transportadora aérea tinha mais de 120 milhões de euros retidos em Angola, na maioria aplicados em títulos de dívida de curto prazo para proteger o dinheiro retido por dificuldades na obtenção de divisas para a expatriação do capital.

Algumas companhias, nomeadamente a portuguesa TAP, já tinham restringido o pagamento em moeda nacional angolana (kwanza) a viagens apenas com origem em Luanda, devido à falta de divisas para repatriar os dividendos.

Também outras empresas portuguesas "vão beneficiar desta maior disponibilidade de divisas internacionais para repatriar receitas", adiantou hoje o titular da pasta dos Negócios Estrangeiros, sem detalhar quais.

Santos Silva apontou igualmente "melhorias" no que diz respeito à regularização dos prazos de pagamento às empresas portuguesas.

Sobre a visita do primeiro-ministro António Costa a Angola, está ainda pendente do "ajustamento final da data".

Escusou-se a revelar o teor da carta do presidente angolano entregue por Manuel Domingos Augusto a António Costa, mas considerou o tom "de extrema cortesia" e revelador da importância que Angola atribui ao relacionamento bilateral entre os dois países.

No encontro com o seu homólogo, o ministro das Relações Exteriores de Angola, Augusto Santos Silva passou em revista a agenda bilateral "em todos os pontos" (dimensão política económica e de cooperação), nomeadamente a negociação do próximo programa estratégico de cooperação que estará concluída "do ponto de vista técnico" para ser validada durante a visita do primeiro ministro António Costa a Luanda.

"Decidimos também aplicar o acordo para a constituição de uma comissão bilateral permanente", cuja primeira reunião deve acontecer logo a seguir às duas visitas que estão planeadas (de António Costa a Luanda e do presidente angolano, João Lourenço, a Portugal.

Questionado sobre as convulsões políticas no Reino Unido, após a demissão de dois ministros do governo de Theresa May que apoiavam a linha dura do Brexit ("hard Brexit"), Augusto Santos Silva manifestou o desejo de que o governo britânico "tenha todas as condições" para que as negociações entre a União Europeia e o Reino Unido possam sair do impasse em que "infelizmente" se encontram.

"A perspetiva de não haver acordo é muito negativa para a Europa e para o Reino Unido", salientou.

Tópicos:

Brexit, Domingos, Unido,

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.