TAP recusa Montijo para não perder ligação entre voos

| Economia

O presidente executivo (CEO) da TAP, Antonoaldo Neves, referiu hoje ser a favor do novo aeroporto no Montijo, mas que não o vai utilizar para garantir que haja voos de ligação.

"Sou a favor do Montijo, mas não o quero usar porque senão perco o `hub` (plataforma de ligações), a conectividade", indicou o CEO, aos deputados, recordando que na infraestrutura prevista como complementar ao aeroporto de Lisboa não podem aterrar aviões grandes.

"Desejo tudo de bom para o Montijo, o mais rápido possível", acrescentou ainda.

Sobre o Porto, o dirigente referiu haver condições para avançar com uma base "sem restrições e que tenha condições para ter a quantidade de pilotos e de tripulantes" que a companhia deseja.

Porém, as condições dessa base estão dependentes de um novo Acordo de Empresa (AE) com o sindicato dos tripulantes de cabine.

Aos deputados, Antonoaldo Neves voltou a garantir que houve um acordo com direção do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) e que há documentos assinados. "O que eu combino, eu cumpro", concluiu.

Depois de mais de três horas de audição, o CEO manifestou "tristeza enorme" que os tripulantes não usufruam das condições que a TAP apresentou na proposta do novo AE.

Antonoaldo Neves disse que as discussões de aumentos salariais até 2023 estavam incluídas na negociação do novo acordo e instou o SNPVAC a clarificar se quer continuar este processo ou abrir um novo.

"É uma questão de palavra, uma questão de honrar o que está comprometido", reafirmou.

O CEO informou que num dos acordos firmados com um dos sindicatos ficou estipulado que não haverá mais de 2% de recurso a tripulações contratadas externamente e que não entrou na corrida da compra da SATA porque o "modelo de governança era um pouco diferente" do esperado.

Tópicos:

CEO, Voo Aviação,

A informação mais vista

+ Em Foco

O criador dos óculos de realidade virtual está a desenvolver tecnologia que vai transferir jogos de vídeo para os campos de batalha.

Reunimos aqui reportagens sobre as forças de elite portuguesas, emitidas por ocasião dos 100 anos do Armistício que pôs fim à I Guerra Mundial.

    O coração de Lisboa foi palco do maior desfile militar dos últimos 100 anos no país, por ocasião do centenário do Armistício que pôs fim à I Grande Guerra.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.