Taxas Euribor mantêm-se a 3, 6 e 9 meses e caem para novo mínimo a 12 meses

| Economia

As taxas Euribor mantiveram-se hoje a três, seis e nove meses em relação a sexta-feira e desceram para um novo mínimo de sempre a 12 meses.

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 05 de fevereiro de 2015, desceu hoje para -0,156%, um novo mínimo de sempre e menos 0,002 pontos do que na sexta-feira.

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, manteve-se hoje em -0,329%, contra o atual mínimo de sempre, de -0,332%, registado pela primeira vez em 10 de abril.

A seis meses, a taxa Euribor, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 06 de novembro de 2015, manteve-se hoje em -0,271%, atual mínimo de sempre verificado pela primeira vez em 14 de junho.

No prazo de nove meses, a Euribor também se manteve, ao ser fixada de novo em -0,201%, contra o atual mínimo de sempre, de -0,203%, registado pela primeira vez em 14 de junho.

Depois de ter sido fixada em valores negativos entre 27 de novembro e 03 de dezembro de 2015, a Euribor a nove meses voltou para níveis abaixo de zero em 07 de janeiro de 2016, nos quais se tem mantido desde então.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.