Taxas Euribor mantêm-se inalteradas a 3 e 6 meses

| Economia

As taxas Euribor mantiveram-se hoje inalteradas a três e seis meses, o que já acontece há várias sessões consecutivas, descendo ligeiramente nos prazos a nove e 12 meses.

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, fixou-se hoje em -0,329% pela 11.ª sessão consecutiva.

O atual mínimo de sempre é de -0,332% e foi registado pela primeira vez em 10 de abril.

Também a taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, também ficou inalterada nos -0,271%, o que acontece pela oitava sessão consecutiva.

O atual mínimo de sempre da Euribor a seis meses é de 30 de outubro, nos -0,276%.

Já a descer, face a terça-feira, estão hoje as taxas Euribor a nove e a 12 meses.

A Euribor a nove meses fixou-se hoje nos -0,219%, ainda assim acima do atual mínimo de sempre, de -0,224% atingido em 27 de outubro.

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 05 de fevereiro de 2015, fixou-se hoje nos -0,187%, contra o atual mínimo de sempre, de -0,194%, verificado pela primeira vez em 18 de dezembro.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Os analistas estão a apontar que as taxas Euribor, atualmente em patamares mínimos históricos, subam ligeiramente este ano, sobretudo no segundo semestre.

A contribuir para a ligeira subida das Euribor estará a alteração de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), com redução de injeção de liquidez na economia e preparação para subida das taxas diretoras.

Ainda assim, os analistas preveem que as taxas Euribor apenas se aproximem dos 0% no final do ano, afastando que saiam de terreno negativo, pelo que o impacto nas prestações de crédito à habitação pagas pelas famílias aos bancos será ainda limitado.

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.