Digital News Report. Portugueses entre os que mais confiam nas notícias

| País

A televisão continua a ser o meio de comunicação que os portugueses mais procuram para notícias (81 por cento), seguido do online, com 79 por cento
|

O relatório Digital News, conhecido esta quarta-feira, revela que Portugal é o segundo país, num conjunto de 38, que mais confia nas notícias. Mostra ainda que a televisão é a fonte preferencial dos portugueses, apesar do crescimento do online e da utilização de redes sociais. O combate à desinformação é também uma das preocupações.

O Reuters Institute da Universidade de Oxford publicou o oitavo relatório anual, baseado num inquérito online do YouGov, feito a 75 mil pessoas de 38 países.


O relatório revelou que Portugal é dos países – num universo de 38 – que mais confiam nas notícias, embora a percentagem tenha diminuído: "Quanto à confiança [dos portugueses] nas notícias em geral, a percentagem baixa quatro pontos percentuais, para 58%, mas mesmo assim continua a ser o segundo país [de um total de 38] onde mais se confia nas notícias".

Em todos os países analisados, o nível de confiança desceu "dois pontos percentuais para 42% e menos de metade (49%) confiam nos media noticiosos que eles próprios usam".

França é um dos países onde os níveis médios de confiança diminuíram consideravelmente. "Os níveis de confiança decresceram para apenas 24% (-11 pontos) no último ano, num contexto em que os media estão debaixo de fogo por causa da cobertura do movimento dos "coletes amarelos", diz o mesmo documento.
Televisão é a fonte preferencial de notícias
A televisão continua a ser o meio de comunicação que os portugueses mais procuram para notícias (81 por cento), seguido do online, com 79 por cento.

O relatório revela também que as duas marcas de notícias mais confiáveis são "dois canais de televisão: a RTP Notícias e a SIC Notícias"

Contudo, os media tradicionais "são vistos como fazendo um melhor trabalho nas notícias de última hora do que na explicação dos acontecimentos".

De facto, em todos os países analisados, 62 por cento "sentem que os media são bons a mantê-los informados, mas que são menos bons a ajudar a compreender as notícias (51%). Quarenta e dois por cento acham que os media fazem um bom trabalho na responsabilização dos ricos e poderosos – e este número é bem mais baixo na Coreia do Sul (21%), na Hungria (20%) e no Japão (17%)".

Por outro lado, em geral, o relatório aponta que o número de pessoas que evitam ler notícias tem crescido e que se consolidaram novas tendências como os podcasts e a "sua popularidade entre os grupos mais jovens".
Maior preocupação com fake news

A preocupação relativamente à desinformação "continua extremamente alta, com uma média de 55% nos 38 países analisados, e cresceu de forma significativa no ano passado em alguns países, apesar das tentativas das plataformas e dos governos" no combate ao problema. Consequentemente, parece existir "uma maior consciência e afinidade com marcas de notícias confiáveis", e 26% dos inquiridos "afirmaram que começaram a confiar" em fontes "mais reputáveis". Vinte e quatro por cento disseram também que deixaram de utilizar fontes dúbias.

O mesmo ocorreu em países com maiores problemas de desinformação. Sessenta por cento dos inquiridos no Brasil e 40 por cento em Taiwan "decidiram não partilhar histórias potencialmente imprecisas nas redes sociais após as recentes eleições" terem sido marcadas por este problema.

Porém, em alguns países não ocidentais, o WhatsApp tornou-se a principal aplicação de discussão e partilha de notícias. Foi o caso do Brasil e da Malásia.

A apreensão tornou as pessoas "mais cuidadosas", mas não todas. "A mudança de comportamento é aparente naqueles que são jovens e com educação superior do que nos mais velhos ou grupos menos privilegiados".
Aumento de subscrições online
Embora o público esteja "a voltar-se para fontes de notícias mais confiáveis", deu-se um pequeno aumento do número de pessoas que paga por uma notícia online, por subscrição ou doação.

Os "modelos online pagos estão a começar a funcionar em alguns países, mas apenas para as grandes empresas de media" e designadamente nos países nórdicos, como a Noruega (34 por cento) e a Suécia (27 por cento).

Ainda assim, "é muito pouco provável que as assinaturas de um título único funcionem para muitos dos consumidores que desejam aceder a várias marcas de uma forma fácil ou que não encontram real mais-valia no pagamento por notícias", avança o relatório.

"Em alguns países a fatiga da subscrição também pode estar a instalar-se, com a maioria das pessoas a preferir gastar o seu orçamento limitado no entretenimento (Netflix/Spotify) em vez de notícias", acrescenta.

c/ Lusa

Tópicos:

Desinformação, Digital News, Notícias, Online, Portugal, Relatório, Televisão,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em Pedrógão Grande, dois anos depois dos incêndios, quase só os estrangeiros são atraídos para a região.

Uma equipa da RTP acompanhou o curso dos novos seguranças pessoais, "sombras" de quem protegem.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.