Trabalhadores da segurança dos aeroportos em greve de 48 horas a partir de sábado

| Economia

Os trabalhadores da segurança privada dos aeroportos vão estar em greve no sábado e no domingo, exigindo melhores condições laborais, informou hoje o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA).

Armando Costa, do SITAVA, disse hoje à Lusa que se trata de uma greve de "48 horas corridas" em todos os aeroportos do país, incluindo os dos Açores e os da Madeira, e que "já foi apresentado o pré-aviso de greve".

O protesto dos trabalhadores da Prosegur e da Securitas que garantem a segurança dos aeroportos tem como objetivo exigir a "contratação coletiva", "melhores condições de trabalho" e "uma carreira com dignidade".

O SITAVA lamenta que, num contexto de "crescimento exponencial de passageiros", que se traduz num "aumento dos lucros da Vinci, da Prosegur e da Securitas e num aumento de receitas com as taxas de segurança (pagas pelos passageiros)", estas empresas "aproveitem para retirar direitos aos trabalhadores", uma situação que o sindicato considera ser "inaceitável".

"Há quem esteja a ganhar muito dinheiro com o aumento de passageiros nos aeroportos nacionais, mas não são os trabalhadores que zelam pela segurança dos passageiros, pois esses são cada vez mais precários e vivem num contexto cada vez mais difícil", aponta ainda o SITAVA, que garante que "tudo fará" para que a segurança nos aeroportos nacionais não fique comprometida.

Em maio, o SITAVA tinha emitido um outro pré-aviso de greve a todo o trabalho extraordinário entre os dias 03 de junho e 01 de outubro, depois de uma reunião insatisfatória com a TAP para discutir a proposta entregue em dezembro de revisão salarial para 2017.

 

 

Tópicos:

Aviação Aeroportos SITAVA Armando, Vinci,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, garantiu que enquanto tiver confiança do primeiro-ministro não vai sair do Executivo.

Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.