Volume das trocas comerciais com Portugal já mostra recuperação de Angola

| Economia

O saldo das trocas comerciais de Portugal com Angola este ano deve manter-se positivo, mas só nos primeiros sete meses as vendas angolanas já ultrapassaram o total do ano passado, evidenciando a recuperação económica em curso.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) português preparados para a Lusa, as vendas de Angola a Portugal entre janeiro e julho deste ano totalizaram mais de 600 milhões de euros, o que representa uma subida de 416% face aos 116,1 milhões de euros em bens vendidos por Angola a Portugal nos primeiros sete meses de 2017.

Olhando para a série longa, desde 2000, constata-se que as importações de Portugal a Angola atingiram, em 2007, apenas 10% do volume de compras feitas antes da queda dos preços do petróleo, a partir de 2014, e que as exportações portuguesas para Angola são pouco mais de metade do que eram antes da última crise petrolífera.

A Lusa contactou a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) pedindo um comentário à evolução dos números ao longo dos últimos anos, mas ninguém esteve disponível para analisar a evolução das trocas comerciais entre os dois países.

Os números estabelecem um nexo de causalidade, mas constata-se que desde a última visita de um primeiro-ministro português a Angola (José Sócrates, em 2006), as exportações registaram uma tendência de subida, apenas interrompida com a crise económica mundial de 2008, que fez cair o comércio mundial.

Assim, as exportações portuguesas para Angola passaram de 1,2 mil milhões, em 2006, para 2,2 mil milhões de euros em 2009, descendo para 1,9 em 2010 e continuando depois a subir a partir de 2011, para alcançarem o valor máximo de 3,1 mil milhões em 2014.

Os anos subsequentes à crise financeira mundial e durante a intervenção da `troika` em Portugal, em que as empresas encontraram no mercado externo a solução para a recessão do consumo, foram de grande expansão das exportações para Angola, mas é notório o impacto da descida dos preços do petróleo, a partir do verão de 2014.

Nesse ano, as exportações ainda subiram, de 3,112 mil milhões de euros em 2013, para 3,178 em 2014, mas desceram significativamente para 2,1, em 2015, e para 1,5 no ano seguinte, tendo depois começado a recuperar para 1,7 mil milhões de euros no ano passado.

As compras de Angola a Portugal, por seu turno, estão em queda acentuada desde 2013, ano em que chegaram a 2,6 mil milhões de euros, e que quase desequilibraram a balança comercial, que foi favorável a Portugal em apenas 480 milhões de euros.

Em 2014, com o petróleo em mínimos históricos desde esse verão, Angola comprou a Portugal bens no valor de 1,6 mil milhões, o que compara com os mais de 2,6 mil milhões comprados no ano anterior, mas 2015 seria ainda pior, com vendas de apenas 1,1 mil milhões, e depois em 2016 e 2017 os valores caíram ainda mais, para 809 milhões e para 278,9 milhões.

As vendas de Angola a Portugal, no ano passado, não eram tão baixas desde 2006, ano em que as empresas portuguesas compraram apenas 52 milhões de euros às congéneres angolanas.

A recuperação da economia angolana, que este ano deve crescer cerca de 3%, depois de dois anos de recessão, não tem ainda reflexo no número de exportadores portugueses que, depois da crise, voltaram ao país: em 2014 havia 9.431 empresas exportadoras registadas no INE, número que foi caindo nos anos seguintes até chegar a 5,838 no ano passado, muito longe das quase 9.400 registadas em 2013.

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.