Gaia quer acolher residências universitárias em parceria com Universidade do Porto

| Educação

A Câmara de Vila Nova de Gaia quer acolher residências universitárias, num projeto em parceria com a Universidade do Porto (UP), tendo identificado dois terrenos para servir diferentes polos, indicou hoje à Lusa o autarca local.

"A eventual parceria com a UP é para nós virtuosa porque traz a Gaia um tipo de jovens qualificados, uma movida e conteúdos culturais que vão muito além da lógica de residência", disse o presidente da câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues.

De acordo com o autarca, estão identificados e foram apresentados à reitoria da UP dois terrenos, sendo o da Estrada Nacional 222, a cinco minutos do metro e da Linha Amarela que dá acesso ao polo da Asprela, junto ao Hospital São João, o que conta com o processo mais avançado.

O terreno, localizado diante das instalações da Salvador Caetano, poderá ter mais de 250 acomodações dada a sua capacidade construtiva, indicou Eduardo Vítor Rodrigues, somando os espaços verdes e equipamentos de apoio ao estudo.

"Propusemos estudar um modelo de parceria para a construção de residências universitárias. Pode ser um modelo assumido pelo Município e pago numa lógica de renda pela UP. Ou pode ser um modelo em que cedemos e a UP constrói", descreveu o autarca de Gaia.

Foi também identificado por Gaia um segundo terreno em Canidelo, este com acesso a transportes rodoviários e mais vocacionado ao apoio do polo do Campo Alegre, onde estão faculdades como a de Letras, Arquitetura ou Ciências.

"O reitor manifestou uma aceitação imediata e estamos a montar o projeto. Este tipo de equipamentos tende cada vez mais a não estar no miolo do Porto", disse Eduardo Vítor Rodrigues, valorizando o facto de a UP ser a que mais alunos estrangeiros recebe em todo o país, quer pelo ERASMUS quer pelos protocolos com os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa.

À agência Lusa, fonte da reitoria da UP confirmou "as negociações com Vila Nova de Gaia e com outras da Área Metropolitana do Porto para encontrar soluções partilhadas para o aumento do alojamento".

Na quinta-feira, o reitor da UP disse que "gostaria de poder contar não só com o apoio da Câmara do Porto, mas também do Governo" para resolver o problema da falta de alojamento para os estudantes universitários.

Mas, contactada pela Lusa, a câmara do Porto escusou-se a comentar as declarações do reitor da UP, António Sousa Pereira, que defendeu ser necessário "construir mais quartos, rentabilizar de forma mais eficiente aqueles que já existem e enveredar por outras soluções, provavelmente recorrer ao aluguer de quartos a terceiros para disponibilizar a estudantes".

Estas declarações surgiram na semana em que a Federação Académica do Porto (FAP) disse que um quarto para arrendar no Porto custa "entre 250 e 300 euros por mês", valores "incomportáveis" para a "típica família portuguesa" que gasta em média "700 euros" com um estudante universitário.

A FAP fez um alerta sobre a realidade na UP, apontando que existem 23 mil estudantes deslocados para 1.300 camas de oferta pública no total.

"Mas desse [número] total 100 camas estão inoperacionais e o resto do mercado tem de ser em privados com valores exorbitantes e incomportáveis para a maioria das famílias portuguesas", apontou a estrutura estudantil.

Tópicos:

Estrada, Gaia, Letras Arquitetura, Vítor,

A informação mais vista

+ Em Foco

O criador dos óculos de realidade virtual está a desenvolver tecnologia que vai transferir jogos de vídeo para os campos de batalha.

Reunimos aqui reportagens sobre as forças de elite portuguesas, emitidas por ocasião dos 100 anos do Armistício que pôs fim à I Guerra Mundial.

    O coração de Lisboa foi palco do maior desfile militar dos últimos 100 anos no país, por ocasião do centenário do Armistício que pôs fim à I Grande Guerra.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.