"Portugueses gostaram da geringonça e desejam a continuidade"

por Andreia Martins e Alexandre Brito - RTP
António Costa ao final da noite durante o discurso de vitória Mário Cruz - Lusa

O PS venceu as eleições legislativas. No discurso de vitória, António Costa afirmou que o Partido Socialista "reforçou claramente a sua posição" e que a direita sofreu uma "derrota histórica". Sobre o futuro Governo, o líder do PS disse que os portugueses "gostaram da geringonça e desejam a continuidade da atual solução política".

Os dados oficiais revelados até ao momento, com apenas quatro deputados por distribuir -  dos consulados - indicam que o PS venceu com 36,5 por cento dos votos e elegeu pelo menos 106 deputados.

Sem maioria absoluta, o PS vê-se obrigado a negociar para garantir estabilidade de governação ao longo dos próximos anos.

Ao final da noite, António Costa afirmou que "vai procurar junto dos parceiros parlamentares renovar a solução política" que sustentou o último Governo.

"Os portugueses gostaram da geringonça e desejam a continuidade da atual solução política", disse o primeiro-ministro. "Agora com o PS mais forte", acrescentou, ressalvando que ao longo dos últimos anos se reforçou a "credibilidade" de Portugal.

Olhando para o futuro, António Costa disse que o objetivo é "fazermos mais e melhor".

Questionado pelos jornalistas sobre que partidos serão contactados para um apoio ao Governo ou mesmo para coligações, António Costa assume que o PS, mesmo saindo "claramente reforçado" destas eleições, considera "desejável renovar a solução" que governou o país nos últimos quatro anos.

Nesse sentido, o Partido Socialista fará contactos com o Bloco de Esquerda e PCP mas também com o PAN e o Livre, que elegeu um deputado e garantiu representação na Assembleia da República.

No entanto, acrescentou, alcançar novamente essa solução "não depende só de nós, depende de todos".
Bloco de Esquerda disponível para negociar
Também esta noite, questionada sobre a possibilidade de um novo acordo com o PS, a líder do Bloco de Esquerda afirmou que o partido tem "toda a disponibilidade para negociar". Catarina Martins disse que o PS tem "todas as condições para formar Governo", num claro sinal de que está disponível para renovar a chamada geringonça.

A líder do BE garantiu que o BE tem "toda a disponibilidade para negociar" numa solução para a legislatura ou "ano a ano".

"Aqui estamos, aqui estaremos, em qualquer dos cenários, para lutar pelos compromissos que afirmámos desde o primeiro dia com todo o país", reiterou Catarina Martins.

Questionada pelos jornalistas sobre se o resultado permite ao Bloco de Esquerda discutir lugares de Governo, Catarina Martins salientou que a vitória do PS "é expressiva". "Essa matéria está fora de questão", disse.
Geringonça? Não no papel, diz Jerónimo de Sousa
Já Jerónimo de Sousa, questionado sobre a possível renovação do acordo com o PS, disse que a "geringonça" chegou ao fim, pois "não haverá repetição da cena do papel", referindo-se à assinatura dos acordos bilaterais há quatro anos.

O partido, acrescentou, vai decidir o seu posicionamento "em função do compromisso de políticas que o PS e o Governo venham a tomar".

O PCP votará "caso a caso" no Parlamento, afirmou.

Jerónimo de Sousa considerou ainda que, após esta eleição, "o que se impõe é olhar para a frente, não permitir que o se alcançou e conquistou em direitos e rendimentos volte para trás, (...) que não se dêem novos passos de retrocesso".