Travão grego à privatização do Porto do Pireu enerva a China

| Eleições na Grécia

“Isso preocupa-nos muito”, disse um porta-voz do Ministério do Comércio da China, em resposta à posição do novo Governo de Alexis Tsipras sobre o maior porto da Grécia
|

Depois de o novo Governo da Grécia ter feito marcha atrás na venda do Porto do Pireu, a maior infraestrutura do género no Estado helénico, o regime chinês saiu a público para manifestar inquietação. Declarando-se muito preocupado, o Ministério da Economia de Pequim promete fazer valer os interesses dos conglomerados da China junto do Executivo de Alexis Tsipras, a começar pela Cosco, que já detém dois dos terminais portuários que servem Atenas.

“Soubemos por artigos da imprensa que o novo Governo na Grécia anunciou, a 28 de janeiro, que poria termo à privatização do Porto do Pireu. Isso preocupa-nos muito”, reagiu esta quinta-feira o Ministério da Economia da China, através do porta-voz Shen Danyang.O grupo chinês Cosco é já detentor de dois terminais do Pireu e tinha na calha a compra dos 67 por cento do capital da autoridade portuária na posse do Estado. O porto gere atualmente 24 mil navios e assegura 1500 postos de trabalho.


O futuro caminho de Pequim nas relações com Atenas passará, de acordo o mesmo porta-voz, por “exortar o Governo grego a proteger os direitos e os interesses legais das sociedades chinesas na Grécia, incluindo a Cosco”.

E é a China Ocean Shipping Company (Cosco) que terá de começar a fazer contas na sequência de um dos primeiros anúncios do Governo encabeçado pelo Syriza – a suspensão dos processos de privatização dos portos do Pireu, perto da capital, e de Salónica, a norte, um dossier desencadeado pelo anterior Executivo de Antonis Samaras, que aliava conservadores e socialistas.

A postura do Ministério da Economia da China deixa transparecer um endurecimento de posições, em contraste com uma primeira reação em tom moderado por parte do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Na quarta-feira a porta-voz da diplomacia chinesa Hua Chunying lembrava que o grupo Cosco goza desde 2008 de “uma concessão para desenvolver os dois principais terminais de contentores do Porto do Pireu”.

“Este projeto é o exemplo de uma cooperação com ganhos para os dois países e pensamos que os dois governos têm a vontade de prosseguir a cooperação em diferentes sectores, porque isso traz benefícios aos dois povos”, reforçou Chunying.
“O país a avançar”

Foi em 2010 que Atenas assumiu junto dos credores internacionais – Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia – o compromisso de pôr em marcha um programa alargado de privatizações, abarcando equipamentos, propriedades e estruturas empresariais do Estado.

O programa do partido de esquerda que governa a Grécia desde o início da semana, em aliança com os Gregos Independentes, de direita, prescreve um ponto final parágrafo à alienação de ativos públicos.


Foto: Pantelis Saitas, EPA

O novo ministro grego da Economia, Infraestruturas, Marinha Mercante e Turismo, Georges Stathakis, sustentava ontem que o travão às privatizações permitiria capitalizar “importantes oportunidades de crescimento” da economia do país, de forma a resgatá-la a um “ponto crítico”.

Além do decreto para o Pireu, o Governo de Tsipras, pela voz do ministro da Energia, deu já ordem de paragem à privatização da DEI, o principal operador público de energia elétrica. Panayotis Lafazanis propôs-se mesmo “baixar o preço da eletricidade para melhorar a competitividade” e lançar “uma nova DEI produtiva” que ajude “o país a avançar”.

Abrindo uma terceira frente, a Xinhua tratou já esta quinta-feira de afiançar que a Cosco vai manter em mãos a gestão dos cais n.º 2 e n.º 3, concessionados ao grupo chinês por 35 anos.

A agência estatal chinesa atribui ainda a Theodoros Dritsas, o ministro adjunto grego com a tutela da Marinha Mercante, a afirmação de que, embora “a comunidade local” esteja “toda contra a privatização”, o “povo grego está ligado ao povo chinês por laços de amizade e solidariedade”.

Tópicos:

Alexis Tsipras, China, Eleições legislativas, Governo, Grécia, Pireu, Porto, Primeiro-ministro, Privatizações, Syriza,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na semana em que se assinala o início da II Guerra Mundial, a RTP conta histórias de portugueses envolvidos diretamente no conflito.

    Entrevista Olhar o Mundo a um dos autores e investigadores militares mais reconhecidos do mundo anglo-saxónico.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.