Nós lá fora

| Entrevistas
Nós lá fora

Foto: FPF

André Ribeiro é o único jogador a atuar no estrangeiro convocado para o mundial de sub-20. Joga no Zurique na Suíça.

A seleção portuguesa concentra-se esta segunda-feira na Cidade do Futebol e parte terça-feira para Osaca no Japão, onde vai realizar um estágio antes da competição na Coreia do Sul.

Filho de emigrantes portugueses, André Ribeiro nasceu em terras helvéticas.

Iniciou-se no futebol no Étoile Carouge. Aos 15 anos mereceu a atenção do Zurique, mudou de cidade e de língua, em Genéve fala-se francês, na cidade mais populosa da Suíça fala-se alemão.

No primeiro ano ficou na Academia do Zurique, atualmente vive na casa de uma família portuguesa.

Em Dezembro de 2014 concretizou um dos sonhos, o Pai recebeu um telefonema da Federação Portuguesa de Futebol, era a convocatória para a seleção de sub-18.

Seguiu o coração e escolheu Portugal em detrimento do convite da seleção suíça.

Hoje conta dezassete internacionalizações.

Assume outro sonho, jogar na liga portuguesa.

Esteve uma semana a treinar no Seixal na equipa +B+ do Benfica, o futuro ficou a aguardar o final do contrato com o Zurique que termina este ano.

Enquanto não define o seu futuro, André Ribeiro, que joga em todas as posições do ataque, pensa no mundial de sub-20.

Zâmbia, Irão e Costa Rica são os adversários da seleção portuguesa na primeira fase da competição.

A prova realiza-se na Coreia do Sul, entre os dias 20 de Maio e 11 de Junho.

A seleção portuguesa de sub-20 concentra-se segunda-feira, parte dia nove para Osaka, no Japão, onde vai realizar um estágio, dia 16 viaja para a Coreia do Sul, dia 21 estreia-se frente à Zâmbia.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.