Aboubakar de regresso aos treinos do FC Porto, após representar Camarões

| FC Porto

|

O FC Porto prosseguiu esta terça-feira a preparação do jogo com o Portimonense, da Taça de Portugal de futebol, com uma sessão em conjunto com a equipa B, que já contou com Aboubakar, de regresso da seleção dos Camarões.

O avançado portista foi titular e jogou os 90 minutos na formação camaronesa, que no sábado empatou 2-2 na Zâmbia, em encontro da última ronda do Grupo B africano de apuramento para o Mundial2018, que os Camarões falharam.

De acordo com a nota publicada no sítio dos `dragões`, no boletim clínico permanecem inscritos os nomes de Herrera - fez trabalho de recuperação no ginásio -, Soares, Otávio e Marega, que receberam tratamento e estiveram também no ginásio.

Ausentes, ao serviço das respetivas seleções, estão ainda os jogadores José Sá, Ricardo Pereira e Danilo (Portugal), Diogo Dalot (Portugal sub-21), Diego Reyes e Layún (México), Maxi Pereira (Uruguai) e Brahimi (Argélia).

O plantel portista volta ao trabalho pelas 10:00 de quarta-feira, no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, no Olival, numa sessão que voltará a decorrer à porta fechada.

O FC Porto recebe o Portimonense pelas 20:30 de sexta-feira, no Estádio do Dragão, em jogo a contar para os 16 avos de final da Taça de Portugal.

Tópicos:

Danilo, Desportiva PortoGaia, Estádio, Gaia, Layún México Maxi, Portimonense,

Pesquise por: Danilo, Desportiva PortoGaia, Estádio, Gaia, Layún México Maxi, Portimonense,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.