Blatter defende Ronaldo e critica "cultura de suspeição" em relação ao futebol

| Futebol Internacional

|

O antigo presidente da FIFA Joseph Blatter considerou hoje que as suspeitas de fraude fiscal que recaem sobre Cristiano Ronaldo são motivadas por uma cultura de suspeição em relação ao futebol e defendeu o jogador português.

“Porque que é que se ataca sempre o mundo do futebol? Ninguém diz uma palavra sobre outros grandes desportistas”, disse, dando como exemplo o seu compatriota Roger Federer, apesar de reconhecer: “Ele é intocável, acredito que faz tudo bem”.

Blatter, que está suspenso de toda a atividade ligada ao futebol por violação do código de ética da FIFA, deu também como exemplo da “perseguição” a futebolistas os casos do basebol ou do basquetebol.

“As grandes estrelas norte-americanas do basebol e do basquetebol não são atacadas”, afirmou Blatter, numa entrevista à televisão pública suíça RTS.

O antigo presidente da FIFA defendeu que deve ser respeitado o principio de presunção de inocência no caso do internacional português, recentemente acusado de fraude fiscal em Espanha.

“Deixou de haver moral desportiva desde de que o futebol se converteu no negócio”, disse, acrescentando: “os jogadores transformaram-se em mercadorias, para não dizer em escravos”.

Na terça-feira, o Ministério Público de Madrid acusou o futebolista português de ter, de forma "consciente", criado uma sociedade para defraudar o fisco espanhol em 14,7 milhões de euros, segundo a agência de notícias espanhola EFE.

O futebolista português é acusado de quatro delitos contra os cofres do Estado, cometidos entre 2011 e 2014, que contabilizam uma fraude tributária de 14.768.897 euros.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.