Dois ou três destaques na seleção das alternativas

| Futebol Internacional

A seleção portuguesa de Portugal fechou com um empate o ano desportivo de 2017
|

Portugal empatou (1-1 com os Estados Unidos, em jogo particular de preparação para o Mundial2018 de futebol, em que o selecionador Fernando Santos deverá ter tirado poucas ilações positivas dos jogadores que entraram em campo com o estatuto de alternativas aos habituais titulares.

Em Leiria, a seleção nacional, com muitas novidades no "onze" em relação à Arábia Saudita (3-0), despediu-se de 2017 com talvez a pior exibição do ano, tal a falta de intensidade e velocidade que apresentou em toda a partida.

McKennie colocou os Estados Unidos em vantagem, aos 21 minutos, mas Antunes respondeu aos 31, registando o seu primeiro golo por Portugal, num verdadeiro "frango" do guarda-redes norte-americano Horvath.

No final o treinador nacional enumerava o que considerava ser os fatores menos positivos da equipa.



Entre desafios particulares e oficiais, Portugal já leva quatro jogos consecutivos sem conseguir ganhar aos Estados Unidos, que começam a habituar-se a dificultar a vida à seleção nacional.

Como era esperado, Fernando Santos operou mais estreias absolutas na formação das quinas, com Ricardo Ferreira a entrar de início e Gonçalo Paciência e Rony Lopes no segundo tempo.

No conjunto dos dois jogos particulares com Arábia Saudita e Estados Unidos o selecionador terá ficado com mais dois ou três nomes de jogadores capazes de integrarem o lote de convocados para o Mundial2018. Manuel Fernandes e Gonçalo Guedes terão sido aqueles que deram mais nas vistas nos dois jogos. Beto e Antunes que já tem sido chamados à equipa confirmaram que são opções válidas, o primeiro na baliza e o segundo a lateral-esquerdo.

A seleção só volta a jogar no próximo ano e até lá destaque para o sorteio da fase final do Campeonato do Mundo Rússia2018 que se realizará no próximo dia 1 de dezembro.






A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.