Federação do Irão quer manter Carlos Queiroz após o Mundial2018

| Futebol Internacional

|

A federação de futebol do Irão fez uma proposta ao treinador português Carlos Queiroz, cujo contrato termina dentro de meses, para continuar à frente da seleção após o Mundial da Rússia, anunciou esta quarta-feira a agência oficial iraniana, Irna.

Carlos Queiroz, de 65 anos, orienta a seleção iraniana desde 2011 e o seu contrato com a federação de futebol daquele país expira no final do Mundial2018.

O presidente da federação iraniana, Mehdi Taaj, mantém negociações com Queiroz, e se estas derem frutos o contrato entre as duas partes será prolongado até 2019, escreveu a Irna, citando Abdolkazem Taleghani, um dos membros do comité diretor da federação.

Tal prorrogação contratual permitiria a Carlos Queiroz continuar a treinar a seleção iraniana até à próxima Taça das Nações asiática, que vai decorrer em janeiro de 2019, nos Emirados Árabes Unidos.

O treinador português terá de dar uma resposta à proposta da federação, mas, segundo Taleghani, "é forte a probabilidade" de o contrato vir a ser prolongado.

No comando técnico da seleção iraniana, o antigo selecionador português conseguiu qualificar o Irão para a sua quarta fase final de um Mundial, a despeito das dificuldades financeiras relacionadas com as sanções internacionais impostas àquele país por causa do seu programa nuclear.

O Irão foi a terceira seleção a garantir um lugar no Mundial da Rússia, após o país anfitrião e o Brasil, e integra o grupo B da competição, juntamente com Marrocos, Espanha e Portugal.

 

Tópicos:

Irão, Queiroz,

Pesquise por: Irão, Queiroz,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.