FIFA abre processo disciplinar a federação russa

| Futebol Internacional

A FIFA com mão dura frente ao racismo
|

A FIFA abriu um processo disciplinar à Federação Russa de Futebol (RFU) por cânticos racistas ouvidos durante o particular entre a Rússia e a França, em 27 de março, informou um porta-voz do organismo à agência noticiosa AFP.

A mesma fonte recusou comentar o caso à AFP mas confirmou a abertura do processo, que reporta à vitória francesa por 3-1 sobre a formação russa, em São Petersburgo, durante o qual vários adeptos entoaram cânticos racistas direcionados ao avançado francês Ousmane Dembélé e ao médio Paul Pogba.

Após o jogo, a FIFA tinha dito estar à espera de um relatório da FARE, uma organização não-governamental que luta contra a discriminação no futebol e tinha estado presente no estádio, com o diretor do organismo, Piara Powar, a explicar à AFP ter "preocupações" com o Mundial2018, que vai passar pelo estádio de São Petersburgo no verão.

O diretor do departamento de segurança da RFU, Alexei Tolkatchiov, considerou que "não foram ouvidos ou gravados quaisquer insultos deste tipo", em entrevista ao Sports Express, mas admitiu que em caso de confirmação a RFU poderia tomar uma ação.

O Mundial2018, na Rússia, decorre de 14 de junho a 15 de julho, com o Estádio de São Petersburgo a receber quatro jogos da fase de grupos, um dos oitavos de final, uma das meias-finais e o jogo de atribuição do terceiro lugar do torneio.

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.