Manchester City volta a ganhar na Premier League

| Futebol Internacional

Bernardo Silva assistiu David Silva para o primeiro golo do Manchester City
|

O Manchester City continua a marcar supremacia na liga inglesa de futebol, ao golear hoje em casa do Swansea por 4-0, enquanto o Liverpool cedeu novo empate em casa, que o atrasa na luta pelo título.

A equipa de Pep Guardiola somou o 15.º triunfo consecutivo na liga inglesa, o que constitui novo recorde, depois de na jornada anterior já ter superado as 13 vitórias seguidas do Arsenal, na época 2001/02 e do Chelsea, na época 2016/17.

Em 129 anos de história do campeonato inglês, apenas o Arsenal tinha cometido a proeza de conquistar 14 triunfos consecutivos, mas ao longo de duas temporadas, pois, às 13 alcançadas em 2001/2002, somou mais uma na época seguinte, sob o comando do atual treinador, o francês Arsène Wenger.

Mas a surpresa da jornada foi protagonizada pelo West Bromwich, 17.º classificado, um lugar acima da ‘linha de água’, cujo treinador, Alan Pardew, conseguiu imitar a proeza de Sam Allardyce, seu colega do Everton, há uma semana, ao neutralizar a estratégia do treinador alemão Jurgen Klopp, impondo um empate em Anfield Road.

O Liverpool teve hoje 70 por cento de posse de bola frente ao West Bromwich, insuficiente, porém, para marcar um único golo em 90 minutos, mas, na jornada anterior, na receção ao Everton, alcançou os 79 por cento de posse contra 21 do rival da mesma cidade, e não foi além de um empate a um golo.

Com os quatro pontos perdidos nas duas últimas jornadas, a equipa de Anfield Road caiu para o quinto posto, com 31 pontos, alcançado pelo Tottenham, que é quarto, depois de ter hoje vencido na receção ao Brighton, 13.º classificado, por 2-0.

Quem voltou a tropeçar foi o Arsenal, que não foi além de um nulo no dérbi londrino frente a um West Ham moralizado pela vitória por 1-0 sobre o Chelsea, na jornada anterior.

A equipa de Arséne Wenger dominou a partida, como o demonstra o facto de ter tido 70 por cento de posse de bola, mas foi incapaz de ultrapassar o ‘muro’ defensivo do West Ham, que começou a recuperar desde a contratação do treinador David Moyes, depois de um início de campeonato desastroso sob o comando técnico do croata Slaven Bilic.

Se o Manchester City ‘passeou’ em Swansea, já o rival United acabou o jogo a defender a magra vantagem de um golo do avançado belga Romelu Lukaku, aos 25 minutos, a cabecear para o fundo da baliza do Bornemouth um cruzamento do espanhol Juan Mata.

Depois da derrota em casa frente ao City, por 2-1, na jornada anterior, o United surgiu desinspirado e sem chama, acabando por fazer os mínimos ao garantir os três pontos, que lhe garantem a manutenção do segundo lugar, com 38 pontos, a 11 do líder.

Não obstante a exibição apagada, o United, tal como o Chelsea, que venceu por 3-1 no estádio do Huddersfield, na terça-feira, ganhou terreno aos rivais Liverpool e Arsenal, quinto e sétimo classificados, com 31 e 30 pontos, respetivamente.

O Leicester, que vinha de quatro vitórias consecutivas e de um crescendo exibicional indiscutível, confirmou o bom momento que atravessa ao somar a quinta vitória seguida em Southampton, por um concludente 4-1, o que lhe permitiu subir ao oitavo lugar da ‘Premier League’ com 26 pontos, depois de ter andado nos lugares do fundo da tabela no primeiro terço do campeonato.

Não menos exuberante tem sido a recuperação do Everton, desde que Sam Allardyce tomou conta da equipa, que foi hoje a Newcastle vencer por 1-0 com mais um golo de Wayne Rooney – já tinha marcado no empate em Liverpool, na jornada anterior – e subiu ao 10º lugar, com 22 pontos.

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.