Sindicato dos Jogadores apoia futebolistas portugueses do Stumbras, da Lituânia

| Futebol Internacional

Os seis portugueses que jogam no Stumbras, do campeonato lituano de futebol, e que se queixam de pressão por parte da direção do clube, vão ser apoiados pelo Sindicato dos Jogadores e pela FIFPro.

Em comunicado hoje divulgado, o sindicato adianta que o organismo internacional dos futebolistas profissionais, a FIFPro, aconselhou os jogadores a não assinar pelo Stumbras, ao mesmo tempo que apelou para a Federação Lituana de Futebol e para a UEFA pata que "tomem medidas mais severas para evitar o tratamento inaceitável dos jogadores que participam nas suas competições".

O Sindicato dos Jogadores refere que muitos futebolistas recebem o salário mínimo da Lituânia - cerca de 350 euros por mês -- e que foram pagos com atraso pelo terceiro mês consecutivo, além de terem contratos em que são vinculados a uma compensação de três milhões de euros para rescindir unilateralmente o seu contrato, enquanto o clube pode terminar com um período de aviso de 24 horas sem pagar qualquer indemnização.

Por outro lado, a direção do Stumbras - que disputou a fase qualificação para a Liga Europa - terá ameaçado com sanções disciplinares os jogadores que falaram ao New York Times sobre a sua situação.

Os seis futebolistas lusos que integram o plantel do Stumbras são Jardel Nazaré, André Almeida, Miguel Pires, Renato Gomes, António Belo e Tiago Luís.


A informação mais vista

+ Em Foco

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

      Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.