UEFA pede mais investigação ao Paris Saint-Germain por ‘fair play’ financeiro

| Futebol Internacional

Clube tem estado sob escrutínio devido às compras de Neymar e Mbappé
|

O Paris Saint-Germain, que tem estado sob vigilência da UEFA devido às regras do ‘fair play’ financeiro, vai ser alvo de nova investigação por parte de uma câmara do organismo que tutela o futebol europeu, foi esta segunda-feira anunciado.

A investigação do corpo de controlo das finanças de clubes (CFCB) da UEFA tinha sido encerrada no verão, mas a UEFA decidiu reenviar o caso para a Câmara Investigatória desse órgão, para uma investigação mais aprofundada.

O clube tem estado sob escrutínio do organismo de cúpula do futebol europeu depois das contratações do brasileiro Neymar, por 222 milhões de euros, e do francês Mbappé, por 180 milhões, no defeso de 2017, levantando questões sobre o cumprimento das regras do ‘fair play’ financeiro.

Em abril, a Autoridade para o Controlo Financeiro dos Clubes concluiu que os contratos de patrocínio do clube francês com várias empresas, associadas ao grupo do Qatar que detém o clube, foram “significativamente sobrevalorizados”.

A UEFA nomeou, então, a empresa independente Octagon para estimar os contratos firmados com empresas próximas do estado do Qatar, que financia o Qatar Sports Investment, dono dos parisienses.

As regras estipulam que um clube a participar nas competições europeias não pode apresentar um défice entre a receita e a despesa superior a 30 milhões de euros num espaço de três anos, mesmo sendo apoiado por um dono com vontade de investir no clube.

Em 2014, o clube já tinha sido sancionado por um contrato com o Turismo do Qatar, que a UEFA considerou sobrevalorizado, tendo pagado uma multa e sofrido restrições nas inscrições de jogadores na Liga dos Campeões, entretanto levantadas.

A informação mais vista

+ Em Foco

Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

    O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.

      Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.

        Faltam seis meses para a saída do Reino Unido da União Europeia. Dia 29 de março de 2019 é a data para o divórcio. A RTP agrega aqui uma série de reportagens sobre o que o Brexit pode significar.