Wenger diz que Sanchez só sai para o United se Mkhitaryan sair para o Arsenal

| Futebol Internacional

O treinador do Arsenal, Arsène Wenger, reafirmou hoje que a transferência do futebolista chileno Alexis Sanchez para o Manchester United só ocorrerá se o arménio Henrikh Mkhitaryan seguir o caminho inverso.

Arsène Wenger respondeu, desta forma, ao treinador do Manchester United, o português José Mourinho, que tinha dito que achava que o avançado chileno Alexis Sanchez, do Arsenal, iria assinar pelo Manchester United.

Manchester United e Arsenal estão a negociar há vários dias um acordo para a troca entre Alexis Sanchez e Henrikh Mkhitaryan e parece que a concretização do negócio está por horas, depois de ambos terem falhado os jogos das respetivas equipas.

De acordo com Arsène Wenger, em declarações após a vitória sobre o Crystal Palace (4-1), Alexis Sanchez "não podia estar a conduzir para o Norte (de Inglaterra) e estar a jogar futebol ao mesmo tempo".

"A assinatura de Alexis só acontecerá se Mkhitaryan entrar. E é por isso que está a demorar um pouco mais, porque tudo tem que ser coordenado. Eu confio que isso será feito e tudo será decidido nas próximas 48 horas", disse o treinador francês.

Depois de três temporadas e meia no norte de Londres, Alexis Sanchez - que chegou no verão de 2014 do FC Barcelona por 35 milhões de libras (cerca de 40 milhões de euros) - está prestes a pôr fim à sua carreira como 'gunner' para se juntar ao Manchester United de José Mourinho.

O Arsenal, que vendeu Theo Walcott ao Everton na quinta-feira, por pouco mais de 20 milhões de libras (cerca de 22,6 milhões de euros), pretende reforçar o seu ataque com o avançado do Borussia Dortmund Pierre-Emerick Aubameyang, que já declarou publicamente o desejo de deixar a equipa alemã.

A informação mais vista

+ Em Foco

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

    Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

      O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.

        Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.