Academia de Alcochete há 15 anos a formar

| Futebol Nacional

A Academia de Alcochete forma talentos para a equipa principal do Sporting há 15 anos
|

O diretor da Academia do Sporting, Virgílio Lopes, afirmou que a formação vai continuar a criar talentos para a equipa principal do clube, explicando que os futebolistas formados nos "leões" têm "qualquer coisa de especial".

"O objetivo final e palpável do trabalho que se faz aqui, são os jogadores que chegam à equipa profissional. Numa primeira etapa à equipa B, que é um primeiro patamar profissional, e depois à equipa A. Trabalhamos para ter jogadores com qualidade e competência para jogar na equipa principal e temo-lo feito, existem anos em que sobem mais e outros menos, mas a média é de três por época", disse Virgílio Lopes, em declarações à Lusa.

Numa altura em que a Academia em Alcochete, que foi a casa da seleção portuguesa no Europeu de 2004 disputado em Portugal, vai assinalar o seu 1.º aniversário, o responsável explicou que, por norma, os jogadores formados no clube acabam por se conseguir afirmar na equipa principal.



"Não chega ter jogadores no futebol profissional, tem de se ter jogadores competentes, com qualidade e talento. Depois de chegarem ao futebol profissional têm de lutar pelo seu espaço e pelas suas oportunidades, pois no futebol ninguém dá nada, as coisas conquistam-se com trabalho. Mas com mais facilidade ou não, os jogadores da formação que chegam à equipa principal acabam por se impor e jogar", salientou.

Virgílio Lopes disse que os atletas formados no clube dão "rendimento desportivo e até rendimento económico", mas alertou que é preciso ter alguma paciência, contrariando o habitual: "somos um bocadinho apressados nestas coisas".

O diretor da Academia considerou ainda que é um erro definir a formação do Sporting como uma escola de extremos, apesar dos muitos formados no clube com sucesso, casos de Cristiano Ronaldo ou Figo, que conquistaram o galardão de melhores jogadores do mundo.

Nos 15 anos em que existe a Academia, a equipa principal de futebol ainda não conquistou nenhum título de campeão nacional, apesar de Virgílio Lopes afirmar que "já o mereceu em alguns anos".

"O trabalho tem de ser sustentado e as coisas não se fazem por decreto. É preciso criar alicerces, ter estruturas e depois é que se pode ganhar de forma sustentada. Iremos começar a ganhar porque o trabalho tem sido bem feito e com responsabilidade e irá resultar no que todos queremos, que é ganhar", concluiu.

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

    É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

    Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.