Bruno de Carvalho destituído da presidência do Sporting

| Futebol Nacional

Sócios votaram para Bruno de Carvalho ser destituído
|

O resultado na Assembleia Geral deste sábado deu aval à destituição de Bruno de Carvalho e do Conselho Diretivo do Sporting. Mais de 15 mil associados votaram e 71 por cento escolheu o 'sim' que leva à destituição de Bruno de Carvalho da presidência do clube de Alvalade.

Foram mais de 15 mil os associados que passaram pela Altice Arena este sábado para decidir o futuro do Sporting. Numa Assembleia Geral que contou com alguns episódios turbulentos, tal como a tentativa de agressão a Álvaro Sobrinho, a escolha dos sócios recaiu na destituição do atual Conselho Diretivo.

Bruno de Carvalho também havia garantido que não estaria na Assembleia Geral mas acabou por comparecer e votar. Foi a AG mais concorrida de sempre da história do Sporting e esta é a primeira vez que um presidente foi destituído desta forma.

Durante a contagem dos votos houve segurança reforçada por parte de efetivos da PSP. Durante o sucedido, houve uma franja de adeptos que mostrou frequentemente o seu apoio a Bruno de Carvalho, sendo que a maior tendência da votação se pautou pela destituição.

No entanto, os votos dos sócios dividiram-se. Os apoiantes que tinham entre 7 e 21 votos, ou seja, votantes com mais idade, escolheram por larga maioria a destituição de Bruno de Carvalho.

Assim, Bruno de Carvalho e o seu Conselho Diretivo vão ser destituídos, escolha que contou com 71,36 por cento dos votos, contra os 28,64 por cento que pediam a continuidade do presidente do clube de Alvalade.

Jaime Marta Soares, durante a Assembleia, marcou eleições para 8 de setembro para os órgãos demissionários ou destituídos.

Tópicos:

Assembleia, Bruno de Carvalho, Sporting,

Pesquise por: Assembleia, Bruno de Carvalho, Sporting,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.