Eleições para os órgãos sociais do Belenenses com três candidaturas

por Lusa

As eleições dos órgãos sociais do Belenenses vão ter três candidaturas, encabeçadas pelo atual presidente, Patrick Morais de Carvalho, por Luís Figueiredo e por Carlos Canhoto Fernandes, comunicou hoje o presidente da Mesa da Assembleia-Geral (MAG).

“Dentro do prazo foram apresentadas três listas aos órgãos sociais, subscritas por mais de 50 sócios efetivos, na plenitude dos seus direitos e com mais de um ano de filiação no CFB [Clube de Futebol ‘Os Belenenses’]. Os candidatos a eleger apresentados pelas três candidaturas cumprem os requisitos legais e estatutários que lhes conferem o direito de ser candidatos aos órgãos sociais do CFB”, refere o comunicado, com o prazo de apresentação das listas a ter terminado às 24 horas de quinta-feira.

Patrick Morais de Carvalho, a dirigir o clube da Cruz de Cristo desde 2014, voltou a candidatar-se, depois de os últimos anos terem sido marcados pelo litígio com a sociedade anónima desportiva (SAD) do Belenenses, que mudou a equipa profissional para o Estádio Nacional, em Oeiras, quando o protocolo de utilização do Restelo terminou, no início da temporada 2018/19.

É a terceira vez que Patrick Morais de Carvalho vai a votos, depois de uma vitória tangencial em 2014, com 52,4% dos votos, e de uma vitória tranquila em 2017, sem concorrência, em queobteve 85,5%.

Sob o lema 'Belenenses com Futuro', Morais de Carvalho continua a ser acompanhado por Pedro Pestana Bastos, para a presidência da MAG, e por João José Morão, candidato ao cargo de presidente do Conselho Fiscal e Disciplinar.

O gestor Luís Figueiredo é o candidato do ‘Movimento dos Históricos’ e tem como principal objetivo fazer uma proposta de recompra da SAD e devolver o futebol profissional ao Restelo, mas também dinamizar e concluir o complexo do Restelo, aumentar o número de sócios, desenvolver as modalidades amadoras e pacificar as relações do clube com todos os ‘stakeholders’ [grupos de interesse].

Luís Figueiredo, de 64 anos, é acompanhado na lista pelo gestor João Tarrana, candidato a presidente da MAG e pelo bancário Luís Filipe Coito Pinto, candidato à presidência do Conselho Fiscal e Disciplinar.

Já o economista Carlos Canhoto Fernandes, o último candidato a apresentar-se ao sufrágio, propõe-se a resgatar o estatuto do Belenenses enquanto referência nacional e instituição com mais forte implementação desportiva em Lisboa.

O ex-futebolista do clube, entre 1972/73 e 1983/84, escolheu Fernando Veiga Gomes para a MAG e Jorge Gomes Pedro para o Conselho Fiscal e Disciplinar.

Devido à evolução negativa da pandemia de covid-19, o sufrágio, que se realiza em 17 de outubro, entre as 10:00 e as 19:00, alterou-se do pavilhão Acácio Rosa para uma zona ao ar livre do complexo do Restelo, na qual os sócios poderão escolher quem comandará os desígnios do clube no triénio 2020-2023, com os sócios que residem a mais de 50 quilómetros da sede do clube a poderem votar por correspondência.

pub