FPF e COP sem comentários sobre detenção de Hermínio Loureiro

| Futebol Nacional

|

A Federação Portuguesa de Futebol e o Comité Olímpico de Portugal escusaram-se hoje a comentar a detenção do seu vice-presidente Hermínio Loureiro, por suspeitas de crimes de corrupção ativa e passiva, prevaricação, peculato e tráfico de influência enquanto autarca.

"A FPF e o Comité Olímpico de Portugal abstêm-se de fazer qualquer comentário sobre o ocorrido, aguardando que todos os factos sejam esclarecidos e apurados oficialmente", referem as entidades, em comunicado comum enviado à agência Lusa.

Hermínio Loureiro é vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol e do Comité Olímpico de Portugal, integrando a direção da primeira e a comissão executiva do segundo. Já foi presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (2006-2010) e secretário de Estado da Juventude e Desporto do governo PSD chefiado por Santana Lopes.

As entidades desportivas revelam que tomaram conhecimento da sua "detenção para averiguações" através da comunicação social e concluem a nota afirmando que "a palavra cabe às autoridades de investigação e judiciais".

A Polícia Judiciária do Norte deteve hoje sete pessoas, entre elas o presidente da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis, Isidro Figueiredo, e o ex-presidente Hermínio Loureiro, por suspeitas de crimes de corrupção ativa e passiva, prevaricação, peculato e tráfico de influência, numa investigação que dura há um ano e que envolveu 31 buscas, designadamente a cinco câmaras municipais e cinco clubes locais de futebol.

Cerca de 90 elementos da Polícia Judiciária e vários magistrados do Ministério Público participaram na operação, designada "Ajuste Secreto".

Fonte da Judiciária adiantou à Lusa que os cinco clubes de futebol que foram alvo de buscas são "todos do concelho de Oliveira de Azeméis".

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.