Futebol de Lés a Lés

| Futebol Nacional
Futebol de Lés a Lés

O Praiense está a 90 minutos de fazer história no futebol nacional.

O Sport Clube Praiense está a um pequeno passo de subir aos campeonatos profissionais do futebol português, o que a acontecer será inédito na história do clube.

A equipa da Praia da Vitória, Açores, fez uma época brilhante no Campeonato de Portugal.

Chegada a última jornada a formação açoriana está a 90 minutos de alcançar a subida direta à II Liga.

Nesta edição de Futebol de Lés a Lés o treinador Francisco Agatão admitiu que a equipa está mentalizada para alcançar essa conquista: “A equipa sabe que vai jogar todo o trabalho da época neste jogo, num estádio difícil, frente a um excelente adversário”.

Mas o técnico confia em pleno no grupo que dirige: “Dependemos apenas de nós, se ganharmos subimos de divisão o que será um feito histórico. A confiança está no ponto máximo e a equipa motivada”.
Questionado sobre se a pressão pode trair a ambição dos jogadores neste derradeiro encontro frente ao Farense, em Faro, Francisco Agatão respondeu: “É normal e natural que haja alguma pressão e ansiedade. Sei que os jogadores vão revelar toda a sua capacidade e acreditam neles. Estamos convictos que vamos fazer um grande jogo”.

Os praienses em particular e os açorianos em geral queixam-se que a equipa foi severamente prejudicada no último domingo frente ao Fátima.

O treinador aborda o tema diretamente e diz não temer que os fatores extrajogo possam prejudicar a sua equipa: “Não temos sido felizes com as arbitragens. Nos jogos com o Torreense e o Fátima fomos fortemente penalizados. Vamos acreditar que, em Faro, teremos um árbitro à altura do jogo que saiba ser isento. Não queremos ajudas só queremos que não nos prejudiquem”.

A informação mais vista

+ Em Foco

"Governar Portugal", sustentou o novo líder social-democrata no discurso de encerramento do 37.º Congresso do PSD, passa por "ter as pessoas como centro e razão da ação".

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Foram sinalizados casos de mutilação genital numa escola da Baixa da Banheira. Uma associação trabalha com turmas. Ainda há rapazes que defendem a "submissão" como "saudável".

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.