Futebol de Lés a Lés

| Futebol Nacional
Futebol de Lés a Lés

Torre de Moncorvo com presente complicado e futuro incerto.

O Grupo Desportivo Torre de Moncorvo vive dias difíceis no Campeonato de Portugal. Os “distritais” parecem ser o destino próximo.

Os resultados positivos escasseiam e, nesta edição de Futebol de Lés a Lés, o treinador Leandro Pedrosa explicou: “Tem sido complicado gerir o clube. Saíram jogadores que faziam a diferença e tornou-se tudo mais difícil”.

Nesta altura da época o Moncorvo sente que está a disputar uma competição com armas desiguais em relação aos seus adversários como o técnico realçou: “A realidade do futebol aqui é diferente. Temos mais dificuldade em arranjar jogadores até porque fica mais caro virem para cá”.

Questionado sobre qual o principal problema do Torre de Moncorvo, Leandro Pedrosa respondeu: “O interior é sempre prejudicado. Não há pessoas, não há juventude. Não temos juniores. Se eu quiser mais jogadores não tenho”.

Quanto a infraestruturas do mal o menos como referiu: “São suficientes, falta o resto”.

Sobre o futuro deixou um lamento e uma preocupação: “Vejo o futuro muito complicado. Não há juventude, escasseia o dinheiro e vai ser difícil assegurar a manutenção no Campeonato de Portugal. A próxima época será complicada. Não há capital para superar o estado de carência em que o clube se encontra”.

A informação mais vista

+ Em Foco

Um mês depois dos incêndios, ainda há raízes em combustão sob a terra no concelho de Pedrógão Grande. Reunimos aqui um conjunto de vídeos em 360 graus captados no local.

A 17 de junho, Portugal começou a assistir ao mais mortífero incêndio de sempre. A paisagem de Pedrógão Grande mantém-se em tons de sépia. Um cenário captado pelo fotojornalista Pedro A. Pina.

    Nos últimos dois anos a RTP ouviu três vozes com diferentes perspetivas do conflito israelo-palestiniano: Miko Peled, Shahd Whadi e Tamir Ginz.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.