Nakajima, do Portimonense, chamado à seleção do Japão

| Futebol Nacional

Os jogadores do Portimonense, Shoya Nakajima (D) e Pedro Sá
|

O futebolista do Portimonense Shoya Nakajima foi chamado pela primeira vez à seleção do Japão, para os jogos particulares com o Mali e a Ucrânia, anunciou o clube algarvio.

O avançado, segundo melhor marcador do Portimonense na I Liga, com nove golos, em 26 jogos, integrar os convocados do selecionador Vahid Halilhodzic para os embates com o Mali, a 23 de março, e a Ucrânia, a 27, ambos na Bélgica.

No final da conferência de imprensa de antevisão do jogo entre o Portimonense e o Vitória de Setúbal, realizada hoje em Portimão, Shoya Nakajima disse aos jornalistas estar "muito satisfeito com a primeira chamada à seleção", adiantando que a convocatória "resulta do trabalho no clube algarvio".

"Agradeço aos meus colegas, aos técnicos e ao clube toda a ajuda, que permite mostrar o meu trabalho. Se não fosse o Portimonense, a chamada à seleção seria mais difícil", frisou.

Segundo Nakajima, o clube algarvio transformou-o num jogador mais completo "a defender, a atacar e a fazer golos", sendo o futebol europeu o que mais se enquadra na sua forma de jogar.

O avançado acrescentou que pretende aproveitar "ao máximo os dois particulares da seleção nipónica para mostrar o seu trabalho", com a esperança de ser chamado para o Mundial de 2018, que se realiza na Rússia, de 14 de junho a 15 de julho.

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.