Nakajima, do Portimonense, chamado à seleção do Japão

| Futebol Nacional

Os jogadores do Portimonense, Shoya Nakajima (D) e Pedro Sá
|

O futebolista do Portimonense Shoya Nakajima foi chamado pela primeira vez à seleção do Japão, para os jogos particulares com o Mali e a Ucrânia, anunciou o clube algarvio.

O avançado, segundo melhor marcador do Portimonense na I Liga, com nove golos, em 26 jogos, integrar os convocados do selecionador Vahid Halilhodzic para os embates com o Mali, a 23 de março, e a Ucrânia, a 27, ambos na Bélgica.

No final da conferência de imprensa de antevisão do jogo entre o Portimonense e o Vitória de Setúbal, realizada hoje em Portimão, Shoya Nakajima disse aos jornalistas estar "muito satisfeito com a primeira chamada à seleção", adiantando que a convocatória "resulta do trabalho no clube algarvio".

"Agradeço aos meus colegas, aos técnicos e ao clube toda a ajuda, que permite mostrar o meu trabalho. Se não fosse o Portimonense, a chamada à seleção seria mais difícil", frisou.

Segundo Nakajima, o clube algarvio transformou-o num jogador mais completo "a defender, a atacar e a fazer golos", sendo o futebol europeu o que mais se enquadra na sua forma de jogar.

O avançado acrescentou que pretende aproveitar "ao máximo os dois particulares da seleção nipónica para mostrar o seu trabalho", com a esperança de ser chamado para o Mundial de 2018, que se realiza na Rússia, de 14 de junho a 15 de julho.

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.