Nuno Manta Santos quer manter exigência no jogo com o Portimonense

| Futebol Nacional

|

O treinador do Feirense, Nuno Manta Santos, disse domingo que quer a sua equipa com o máximo grau de exigência para a visita ao Portimonense, na segunda-feira, da sexta jornada da I Liga.

Em conferência de imprensa de antevisão à partida, o treinador considerou que a sua equipa ainda tem a retirar do jogo com o Sporting para a quinta ronda [derrota por 3-2] alguns aspetos positivos e, por isso, pretende mais exigência dos seus jogadores.

"Analisámos os erros que tivemos no jogo com o Sporting, mas também valorizámos, durante a semana, os aspetos positivos desse jogo. Estamos preparados para o jogo com o Portimonense. Quero aproveitar a imagem que deixámos nesse jogo, mas também quero exigir mais. Queremos evoluir todos os dias e melhorar a nossa capacidade de trabalho", referiu.

O técnico admitiu que vai encontrar um adversário complicado, garantindo que a sua equipa tem ambição para ultrapassar o Portimonense.

"Vamos tentar fazer o nosso melhor em Portimão, perante uma equipa que nos vai criar muitas dificuldades e com um plantel que já joga junto há algum tempo. Tem um treinador muito bom e muito experiente. Mas nós também vamos a jogo para criar dificuldades", revelou.

O treinador do Feirense realçou ainda que a sua equipa não poderá deixar de visar a baliza do Portimonense.

"O nosso adversário tem feito boas exibições, tanto em casa como fora. Temos de estar preparados para defrontar uma equipa ambiciosa. Os golos é que determinam as vitórias e queremos fazer tudo para marca", frisou.

O Portimonense, 17.º e penúltimo classificado com três pontos, recebe o Feirense, sexto com oito, na segunda-feira, às 19:00, num encontro que vai ser arbitrado por Bruno Paixão, da associação de Setúbal.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.