Pedro Proença pede “reflexão profunda” no futebol

| Futebol Nacional

Legenda da Imagem
|

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol condena “os atos primários” de violência em Alcochete, tendo ainda expressado a sua solidariedade para com as vítimas. Em entrevista ao 360 da RTP3, Pedro Proença defendeu ainda que os dirigentes devem fazer uma “reflexão profunda”.

"Chegou o momento de reflexão profunda dos dirigentes, porque há uma linha que foi ultrapassada, porque o que se passou não foi um caso desportivo, é um caso de polícia, contra os verdadeiros artistas do futebol", afirmou Pedro Proença.

O dirigente afirmou que há pessoas que têm “utilizado o futebol como um meio para atingir outros fins”. O presidente da Liga explicou estar a referir-se “a todos em concreto”, nomeadamente “dirigentes e toda a gente que não tem sabido ter a calma e a tranquilidade”.

Questionado sobre se Bruno de Carvalho está incluído neste grupo, Proença não concretizou, afirmando apenas que “os dirigentes têm de perceber que no futebol não vale tudo”.

Na entrevista à RTP3, Pedro Proença considerou ainda que os acontecimentos desta terça-feira são uma “página negra” do futebol em Portugal e um “caso de polícia”.

A entrevista de Pedro Proença à RTP foi concedida poucas horas depois de os jogadores e equipa técnica do Sporting terem sido agredidos em Alcochete. Cerca de 50 adeptos invadiram as instalações da academia e começaram as agressões.

Alguns jogadores foram mesmo sequestrados durante alguns minutos no interior do balneário que ficou parcialmente destruído.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.