Sócios respondem se querem "revogação coletiva, com justa causa" do CD

| Futebol Nacional

|

O presidente da Mesa da Assembleia Geral (MAG) do Sporting revelou esta quinta-feira à agência Lusa que vai ser perguntado aos sócios se pretendem ou não a "revogação coletiva, com justa causa, do mandato dos membros do Conselho Directivo".

Em comunicado, Jaime Marta Soares adiantou que será essa a questão à qual os sócios terão de responder na AG de sábado, com "sim", "não" ou "abstenção" à continuidade do Conselho Directivo liderado por Bruno de Carvalho.

Antes, em conferência de imprensa, na Altice Arena, em Lisboa, para explicar o funcionamento da AG de sábado, Jaime Marta Soares afirmou que, seja qual for o desfecho da reunião de sábado, as eleições no clube serão marcadas "no prazo previsto nos estatutos", em "meados de setembro".

"Se for votada a continuidade, à mesa só resta uma coisa: é marcar eleições para o conselho fiscal e para a mesa, dentro de 60 dias, meados de setembro. Será logo nessa hora devidamente marcado. A única questão é se é para dois ou três órgãos. Qualquer que seja o resultado, no prazo previsto nos estatutos, serão feitas as eleições no Sporting", disse o líder da MAG.

Na ocasião, Jaime Marta Soares reiterou que se o presidente do clube quiser comparecer na AG, "tem as portas abertas".

"Liberdade total para vir dizer de sua justiça sobre o que entende mais certo e mais correto", disse, defendendo o "direito de qualquer cidadão usar a palavra relativamente a alguma coisa que lhe diz respeito", frisou.

Segundo Jaime Marta Soares, e "sendo incontornável que Bruno de Carvalho vai estar em discussão nesta AG", o líder do Conselho Directivo tem "todo o direito de dizer de sua justiça, dentro dos limites definidos pela mesa e pelo seu presidente".

"Não vemos ter horas de discussão. Haverá um tempo para a discussão e um tempo para a votação", frisou.

De resto, Marta Soares disse esperar que se da AG resultar numa maioria favorável à destituição, Bruno de Carvalho aceite "democraticamente" o veredicto.

"Estamos num país democrático onde o direito impera e as leis são para se cumprir (...) Espero que seja esse o entendimento do presidente Bruno de Carvalho. Se os sócios decidirem pela sua destituição, julgo que ele aceitará democraticamente, nem outra coisa me passa pela cabeça", afirmou.

O presidente da MAG voltou a frisar que neste processo "não há guerras, nem da mesa, nem do presidente da mesa".

"Ninguém faz parte de nenhuma fação, apenas se assumindo com a responsabilidade de dar a voz aos sócios (...) Eu não sou candidato a nada e aqui ninguém é candidato a nada", comentou.

Na ocasião, o responsável do Sporting indicou que a AG, que decorre na sala Atlântico do Altice Arena, começará às 14:00, embora a abertura das portas aconteça pelas 12:00 para que todos possam ir ocupando os seus lugares.

A votação encerra às 20:00, mas todos os sócios que estejam ainda na fila para votar poderão fazê-lo.

Jaime Marta Soares alertou, no entanto para a necessidade de os sócios terem as quotas em dia e não se ausentarem do pavilhão após a credenciação, já que caso o façam não poderão voltar a ter acesso à sala "por motivos de segurança".

Quanto à segurança da reunião, o presidente da Mesa indicou que está a cargo da PSP, afirmando não ter "preocupações nesse sentido" - "conheço os sócios do Sporting e não creio que haja qualquer tipo de conflito", disse.

Tópicos:

Atlântico Altice Arena, Bruno Carvalho, Directivo,

Pesquise por: Atlântico Altice Arena, Bruno Carvalho, Directivo,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.