Vitória de Setúbal quer debate sobre o vídeoárbitro

| Futebol Nacional

Legenda da Imagem
|

O Vitória de Setúbal, da I Liga, vai solicitar uma reunião com o Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol para debater situações relacionadas com a intervenção do vídeoárbitro (VAR) nas partidas em que o clube participa.

Na origem da tomada de posição da administração da SAD, anunciada hoje na página oficial do clube, estão as decisões em que os sadinos afirmam ter sido prejudicados, a última das quais no jogo de sábado que terminou empatado (1-1) no reduto do Vitória de Guimarães.

Na partida da 30.ª jornada do campeonato, os sadinos contestam o lance que deu origem ao golo dos vimaranenses por ter sido obtido numa jogada precedida de fora de jogo (Konan está em fora de jogo no cruzamento para João Aurélio).

"A administração da SAD sublinha que pede a reunião por entender que estes assuntos devem ser discutidos em sede própria e porque não pretende aumentar o estado de polémica permanente em que vive o futebol português", lê-se.

Além das questões relacionadas com o VAR, o Vitória de Setúbal pretende também fazer uma exposição à Liga Portuguesa de Futebol Profissional sobre o apedrejamento do autocarro que transportava mais de 70 adeptos, incidente do qual resultaram três feridos.

"Vai ser solicitada uma reunião com o presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (Pedro Proença), no sentido de analisar o grave incidente ocorrido com um autocarro de adeptos vitorianos após o jogo de sábado em Guimarães, para que se apurem responsabilidades e os autores dos mesmos sejam punidos. A ocorrência vai também ser participada ao Ministério Público, para competente investigação", revelam.


A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.