Willock e Rúben Dias entre os eleitos do Benfica para visita a Chaves

| Futebol Nacional

|

As chamadas do extremo inglês Willock e do central português Rúben Dias são as principais alterações nos convocados do Benfica para a deslocação ao reduto do Desportivo de Chaves, na segunda jornada da I Liga de futebol.

Para o embate frente aos flavienses, o técnico dos tetracampeões nacionais, Rui Vitória, decidiu chamar 21 jogadores, sendo que o extremo e o defesa, que não tinham sido opção para o jogo inaugural dos `encarnados` no campeonato, frente ao Sporting de Braga (3-1), poderão agora fazer a sua estreia na prova.

Em sentido inverso, regista-se somente a saída do lateral Aurélio Buta da convocatória apresentada para o desafio com os arsenalistas na ronda anterior.

Fora deste encontro ficam ainda o guarda-redes Júlio César, o defesa Grimaldo, os médios André Horta e Zivkovic e o avançado Mitroglou, todos incluídos no boletim clínico do clube da Luz e dados como indisponíveis para o segundo embate do Benfica na competição.

O jogo entre o Benfica e o Chaves, a contar para a segunda jornada da I Liga, está marcado para esta segunda-feira, às 21:00, no Estádio Municipal de Chaves, com arbitragem de Jorge Sousa (Associação de Futebol do Porto).

Convocados:

- Guarda-redes: Paulo Lopes e Bruno Varela.

- Defesas: Lisandro, Luisão, Eliseu, Jardel, André Almeida e Rúben Dias.

- Médios: Fejsa, Filipe Augusto, Salvio, Pizzi, Cervi, Willock, Martin Chrien, Diogo Gonçalves e João Carvalho.

- Avançados: Raul, Jonas, Seferovic e Rafa.

Tópicos:

André Horta, Carvalho Avançados Raul Jonas Seferovic, Chaves, Desportivo, Rúben,

Pesquise por: André Horta, Carvalho Avançados Raul Jonas Seferovic, Chaves, Desportivo, Rúben,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.