No Refrão da Memória: a música no labirinto de uma doença sem cura

| Grande Reportagem
No Refrão da Memória: a música no labirinto de uma doença sem cura

Foto: Isabel Meira - Antena 1

Em todo mundo, a cada três segundos uma pessoa é diagnosticada com demência. As contas são da Organização Mundial de Saúde, que considera que a questão deve ser tratada como prioridade de saúde pública.

Em Portugal, há vários anos que se fala num Plano Nacional para as demências.

Em entrevista à Antena 1, o Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, garante que o Governo vai avançar com medidas concretas em 2018, depois de aprovadas as Bases para a Definição de Políticas Públicas na Área das Demências.

O documento desenhado por um grupo de trabalho esteve em consulta pública e a versão final deve ser entregue no Ministério da Saúde até ao final do mês.



A Grande Reportagem Antena 1 entra no universo das demências através da música.

A musicoterapia não é uma profissão em Portugal, mas há várias instituições para a terceira idade onde a música é usada no tratamento das demências.



No ano passado, a Associação Portuguesa de Musicoterapia lançou uma petição pública para que a a actividade passe a ser uma profissão em Portugal e deu início a um processo de certificação para quem já trabalha na área.

Pelas contas da associação, em todo o país há cerca de 60 pessoas a desenvolver actividades relacionadas com a musicoterapia, mas apenas seis são musicoterapeutas certificados.

"No Refrão da Memória" é uma grande reportagem da jornalista Isabel Meira.

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.