Rússia propõe manter por seis meses envio de ajuda humanitária a zona rebelde

por Lusa

A Rússia concordou hoje em manter durante seis meses a entrega de ajuda humanitária da Turquia às zonas rebeldes do noroeste da Síria, e não durante um ano como pretendiam diversos membros da ONU, incluindo o secretário-geral.

A Rússia propôs emendas a um projeto de resolução apresentado pela Irlanda e Noruega e reduziu o período para as entregas. Apelou ainda para o aumento dos esforços que garantam entregas de ajuda humanitária "completas, seguras e sem restrições" ao longo das linhas de conflito na Síria, indicou a agência noticiosa Associated Press (AP).

Em julho de 2020, a China e a Rússia vetaram uma resolução da ONU que mantinha dois pontos de passagem a partir da Turquia para a entrega de ajuda humanitária a Idlib. Alguns dias depois, o Conselho de Segurança (CS) autorizou a entrega de ajuda apenas através de Bab al-Hawa, um dos pontos de passagem. Esse mandato de um ano foi prolongado por um ano em 09 de julho, e expira esta semana.

O Conselho de Segurança da ONU deve votar na quinta-feira uma resolução destinada a prosseguir a entrega de ajuda através dos pontos de passagem, e quando diversos membros do CS, o secretário-geral da ONU António Guterres e mais de 20 organizações não governamentais (ONG) pretendiam que o mandato fosse prolongado até ao verão de 2023.

Idlib, no noroeste da Síria, é o último bastião rebelde e o Hayat Tahrir al-Sham, com ligações à Al-Qaida, permanece o mais poderoso grupo insurgente na região.

Na semana passada, a ONU disse que os primeiros dez anos da guerra na Síria, iniciada em 2011, provocaram mais de 300.000 mortos civis, a estimativa mais elevada até ao momento sobre baixas entre a população.

Numa carta enviada hoje aos embaixadores do CS e divulgada pela AP, o antigo procurador-geral do Tribunal Penal Internacional, Luis Moreno Ocampo, indicou que, ao aprovarem as entregas transfronteiriças em direção ao noroeste da Síria, os membros do Conselho "poderão estar a apoiar uma organização terrorista designada pela ONU".

Ocampo acrescentou que qualquer apoio "a uma organização terrorista, incluindo assistência humanitária", está proibida por anteriores resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

Tópicos
pub