FC Porto a 90 minutos dos "`oitavos` da "Champions"

| Liga dos Campeões

A equipa do FC Porto corre para os oitavos-de-final da liga milionária
|

O FC Porto procura esta quarta-feira garantir um lugar nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões de futebol, na receção ao Mónaco, do técnico luso Leonardo Jardim, na sexta e decisiva jornada do grupo G.

No regresso de João Moutinho e Falcao ao Estádio do Dragão, uma vitória coloca o FC Porto na próxima ronda, mas o empate ou até a derrota podem também servir à formação portuguesa, isto caso o Leipzig não vença ou seja derrotado na receção ao já qualificado Besiktas.

Os turcos somam 11 pontos e já asseguraram o primeiro lugar, enquanto FC Porto e Leipzig têm ambos sete, com os "dragões" a terem vantagem no confronto direto.

O FC Porto vai encontrar um adversário de boa memória, já que conquistou a Liga dos Campeões de 2003/2004 com um triunfo por 3-0 sobre os monegascos. O mesmo resultado alcançou no jogo da primeira volta do grupo, em setembro, com um "bis" de Aboubakar.

Nesse jogo, Sérgio Oliveira foi a grande surpresa do "onze" de Sérgio Conceição, mas o médio é baixa certa para o encontro desta noite, devido a castigo.

O treinador dos azuis e brancos, Sérgio Conceição, na antevisão do encontro, denotou uma dose elevada de otimismo.



O técnico dos franceses, Leonardo Jardim, assumiu as limitações da sua equipa mas reconheceu que o jogo pode ser bom para os jogadores ganharem experiência.



O encontro tem início agendado para as 19h45 e será arbitrado pelo sueco Jonas Eriksson.

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.