Marcelo diz que manutenção do `rating` é o esperado até haver decisão sobre défice

| LUSA-INBOX

|

O Presidente da República considerou hoje que a manutenção do `rating` atribuído a Portugal pela agência de notação financeira DBRS é o esperado até haver uma decisão europeia sobre a saída do processo por défice excessivo.

"Era o que se esperava, até haver uma decisão sobre a saída do processo de défice excessivo não é de esperar que as agências de `rating` subissem o `rating`. Depois de haver uma decisão, se for positiva, como é de esperar, aí, a seguir ao verão, é que poderá haver boas notícias", declarou Marcelo Rebelo de Sousa, em resposta aos jornalistas, durante uma visita à Mesquita de Lisboa.

O chefe de Estado aproveitou para referir que "hoje chegaram notícias boas, como uma previsão do ISEG de crescimento de 2,4% para o primeiro trimestre", que no seu entender é até "um pouco excessiva", mas "em qualquer caso mostra uma tendência positiva", e recomendou: "Vamos esperar pelo fim do verão".

A agência de notação financeira DBRS anunciou hoje que decidiu manter o `rating` atribuído a Portugal em `BBB` (baixo), o primeiro nível de investimento acima do `lixo`, com perspetiva estável.

A DBRS justificou a manutenção do `rating` com fatores positivos, ligados ao cumprimento das regras europeias, mas também negativos, alertando que se colocam "desafios significativos" Portugal, como os "níveis elevados de endividamento público e empresarial, um crescimento potencial baixo e pressões orçamentais".

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à Antena 1, o Presidente da República diz que o crescimento da economia é o que mais o preocupa agora.

A RTP agrupa as sondagens disponíveis e traça as tendências do eleitorado para a derradeira votação da eleição presidencial francesa.

    Francisco será o quarto papa a visitar Fátima, a 12 e 13 de maio. Um visita marcada também pela canonização dos pastorinhos Jacinta e Francisco, no centenário das "aparições" na Cova da Iria.

      A Associação Adeptos dos Sonhos canalizava 90% do dinheiro recolhido em ações de caridade para uma empresa do namorado da presidente.