Maria Flor Pedroso entrevista Diogo Freitas do Amaral

| Maria Flor Pedroso
Maria Flor Pedroso entrevista Diogo Freitas do Amaral

Freitas do Amaral considera que António Costa tem tido uma “liderança demasiado modesta, demasiado apagada”.

Na entrevista a Maria Flor Pedroso, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de José Sócrates usa a metáfora do comandante do navio, uma comparação que já vem dos gregos, para falar do Estado e da liderança política, porque "as pessoas em momentos difíceis querem ouvir o comandante do navio, tem de haver uma comunicação pessoal e direta". E por isso falta uma política de informação e nota "uma grande falta de comunicação entre os vários ministérios, o que é completamente impensável", diz Freitas do Amaral.

O professor catedrático jubilado alerta nesta entrevista à Antena1 que não se está a reduzir a dívida com a "velocidade suficiente" porque "é o maior problema que Portugal tem em cima da sua cabeça" considerando que poderemos "estar à mercê de qualquer crise". Para Freitas do Amaral "é preciso reduzir as gorduras do Estado, mas os governos não sabem onde elas estão, nem perguntam às pessoas que sabem". Questionado se estaria disponível, diz que "depende das circunstâncias" e exemplifica com a reforma do Estado feita na Nova Zelândia.

Este é um Governo que o surpreendeu pela positiva pois "fez o milagre político de por de acordo Bruxelas, o PCP e o BE, o que é uma coisa nunca vista, e que vai ficar na História". Regista o êxito na estabilidade governativa, o crescimento na ordem dos 3%, a diminuição do desemprego.

Pode ver esta entrevista na íntegra aqui:

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.

        Uma semana depois de as chamas deflagrarem em Monchique, a Proteção Civil deu o incêndio como dominado e em fase de resolução. Portugal volta a ser o país com mais área ardida na Europa.