"Governo corre o risco de desiludir os portugueses"

| Maria Flor Pedroso
Governo corre o risco de desiludir os portugueses

Foto: Antena 1

O aviso é do secretário-geral do PCP. Em entrevista à Antena 1, Jerónimo de Sousa considera que o primeiro-ministro tarda em dar resposta às questões relacionadas com a legislação laboral e também com a reforma das longas carreiras contributivas.

Nesta entrevista à editora de Política da Antena 1, Maria Flor Pedroso, o secretário-geral dos comunistas afirma "que o Governo corre o risco de frustrar as expectativas legítimas" dos portugueses, sendo que "é o pior que se pode fazer em política".

Jerónimo de Sousa refere-se sobretudo às questões relacionadas com a legislação laboral - que ainda não foi alterada depois da saída da troika - e com as reformas das longas carreiras contributivas, aliás uma questão que confessa já levantado junto de António Costa.

No entanto, o político acredita que poderá haver um avanço, tal como aconteceu no Orçamento do Estado do ano passado, com o aumento extraordinário das pensões que não estava previsto, nem nas posições conjuntas nem no Programa de Governo. E elogia a "compreensão do primeiro-ministro" nestas matérias. Todavia, "falta a efetivação".


"Não somos peninha no chapéu", afirma ainda o político comunista. Isto no caso "académico de o Partido Socialista ter maioria absoluta". "Cenário em que não acredito muito", acrescentou.

"Não iríamos integrar nenhum governo do PS". vincou. Mas Jerónimo de Sousa acredita na convicção do primeiro-ministro, quando este propõe um cenário de maioria absoluta com PCP e Bloco de Esquerda.

E diz mais: "Essa afirmação é bem intencionada, mas o problema é que o resultado do PS maioritário não foi nada brilhante".

Sobre o Orçamento do Estado para 2018, considera que "não está no papo. É exagerado dizer que está a andar sobre rodas".

Quase que se pode dizer que haverá luta até ao fim e o "Governo" não pense "que está no papo". Porque o que determina o posicionamento do PCP é "o exame comum das propostas, é prematuro e manifestamente exagerado dizer que isto está a andar sobre rodas, vamos ver".

Sobre as eleições autárquicas afirma em relação a PCP e PS: "Somos adversários recíprocos".

Sem complexos, Jerónimo de Sousa assume que o PS é o "adversário principal, objetivamente, tal como para o PS considera o contrário, é natural que isso aconteça".


Veja a entrevista de Maria Flor Pedroso a Jerónimo de Sousa, na integra, aqui:
 

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.