Maria Flor Pedroso entrevista João Oliveira

| Maria Flor Pedroso
Maria Flor Pedroso entrevista João Oliveira

Foto: Antena1

O PCP é a chave decisiva para o futuro, dai a importância do seu reforço.


Os avanços só foram possíveis, diz o líder parlamentar comunista, porque o PCP teve força para condicionar as decisões tomadas pela atual solução governativa: "e eu diria que é aí que está a chave do futuro, quanto mais força o PCP tiver para condicionar, melhor será para os trabalhadores".

Nesta entrevista à Antena1, João Oliveira saúda o facto do PSD agora, com Rui Rio, reconhecer a legitimidade deste Governo. Essa é mesmo a única alteração que se nota porque, afirma, não há alteração no essencial e a mudança de liderança no PSD não beliscou a relação bilateral que os comunistas mantém com Governo.

Orçamento de 2019 será aprovado, após exame comum e o nosso crescimento económico "não é à prova de bala".

João Oliveira nem consegue perspetivar a possibilidade de o Governo fazer um orçamento que não venha a merecer a aprovação do PCP. Evidentemente que os comunistas não dispensam o "exame comum" e "sem reserva mental". 

O líder parlamentar garante que o PCP não vai desistir dos aumentos salariais em 2019 e acrescenta um argumento para sustentar esta revindicação: a reposição salarial, "foi a chave para o crescimento económico e do emprego e por isso é preciso levar mais longe as medidas positivas, que têm sido tomadas". João Oliveira deixa, no entanto, um alerta sobre a consolidação deste crescimento económico, "julgo que não é correto achar que este crescimento económico é sustentado e à prova de bala, não é: há uma fatia em que depende de condições que não estão na nossa mão".

Concertação social: O Governo faz mal em optar pelo patronato.

O líder parlamentar do PCP deixa uma crítica contundente ao facto do Governo insistir na concertação, “onde os patrões têm maioria”, diz. "Só posso ter uma expectativa que não é boa" das alterações que o Governo vai introduzir. Sem ilusões, João Oliveira pergunta e responde: "está-se à espera que com o mesmo caminho, o resultado seja diferente? Só pode ser o mesmo".

Sobre o aumento de contestação social a um Governo que o PCP apoia, João Oliveira inverte a questão: "os trabalhadores fazem greve sempre que sentem necessidade disso, não é o PCP que estala os dedos e há greves, as greves aparecem perante problemas que não se resolvem".

Pode ver aqui na íntegra esta entrevista de João Oliveira a Maria Flor Pedroso:


Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.