Maria Flor Pedroso entrevista Manuel Alegre

| Maria Flor Pedroso
Maria Flor Pedroso entrevista Manuel Alegre

Foto: Antena1

Há alguma “falta de coragem política para defender os valores democráticos" face aos populismos.


Manuel Alegre, candidato presidencial por duas vezes, antigo Conselheiro de Estado, último Prémio Camões, diz-se muito preocupado quando os computadores de pessoas que trabalham com o Ministro das Finanças são inspecionados, considerando que o ocorrido "é totalmente inadmissível". Questionado sobre quem deveria ter agido, Manuel Alegre dispara: "O Presidente da República, Assembleia da República, Conselho Superior de Magistratura e no Ministério Público há quem possa agir também".

A escrever um novo livro, da infância até ao exílio, Manuel Alegre é veementemente contra o populismo "inorgânico" que diz sentir crescer "nas redes sociais, em sectores da comunicação social e também no parlamento" com a tendência para legislar "leis absurdas" como a dos presentes até 150 euros. Manuel Alegre entende que há alguma "falta de coragem política para defender os valores democráticos" face aos populismos.

Alegre defende que a atual solução governativa deve continuar no pós 2019, se a Direita não for maioritária. "Seja qual for o resultado eleitoral, deve manter-se e aprofundar-se". "Os partidos da Esquerda devem precisar uns dos outros e os que não perceberem isso cometerão um erro imperdoável que o eleitorado não os vai perdoar".


Pode aqui na íntegra esta entrevista de Maria Flor Pedroso a Manuel Alegre:

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.