Maria Flor Pedroso entrevista Teresa Leal Coelho

| Maria Flor Pedroso
Maria Flor Pedroso entrevista Teresa Leal Coelho

Foto: Antena1

Governo devia pôr o Programa de Estabilidade a votos até para garantir o apoio parlamentar que é o suporte deste governo.


Teresa Leal Coelho, deputada, presidente da Comissão de Orçamento e Finanças, deixa dois desafios ao Governo: “devia pôr o Programa de Estabilidade a votos até para garantir o apoio parlamentar que é o suporte deste Governo" e não devia voltar a adiar a entrada em vigor da Lei de Enquadramento Orçamental.

O objetivo é que o Orçamento do ano que vem dê entrada no parlamento, não a 15, mas a 1 de Outubro. A Presidente da Comissão de Orçamento e Finanças justifica esta necessidade pelo facto de 45 dias ser muito pouco tempo para analisar e aprovar o Orçamento. Uma exigência em que todos os partidos estão de acordo.

Sobre o PSD, Teresa Leal Coelho, antiga vice-Presidente de Pedro Passos Coelho, mostra-se disponível para colaborar com a nova direção e confessou, por sua iniciativa nesta entrevista, ter votado em Fernando Negrão para líder parlamentar. No entanto, afirma que a avaliação de Rui Rio estará marcada para o momento dos votos: "o que o partido pode pedir a Rui Rio é que ele se prepare para esse momento, e é evidente que está a fazê-lo, depois o resultado será avaliado no momento em que for apurado".

Leal Coelho é contra a lógica nacional de "sistematicamente discutir-se antecipando as quedas das lideranças". Confiante, "a expectativa que eu tenho é que conduza o PSD para ganhar de novo as eleições e acho que pode ganhar. "Quanto à oposição interna, Leal Coelho dispara "eu sou oposição ao PS não sou oposição ao PSD".

Para Lisboa, a também vereadora do PSD sem pelouro, avançou nesta entrevista com uma ideia que tem o apoio do Presidente Fernando Medina: criar uma rede de transportes coletivos fluviais, "de Algés até ao Parque das Nações, táxis fluviais ao longo do rio".

Pode ver aqui na íntegra esta entrevista de Teresa Lea Coelho a Maria Flor Pedroso:


Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Kim e Donald passaram do insulto à vontade mútua de fazer história. Bem-vindos à era das ilusões.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.