Maria Flor Pedroso entrevista Vieira da Silva

| Maria Flor Pedroso
Maria Flor Pedroso entrevista Vieira da Silva

Foto: Antena 1

Vieira da Silva, na primeira entrevista desde o caso Raríssimas, garante que não sentiu o seu lugar em risco.

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social Vieira da Silva rejeita alterar a legislação laboral até ao final da Legislatura. Vieira da Silva entende que já muita coisa mudou. 


Autoeuropa: Vieira da Silva mostra-se preocupado com a situação na empresa, com o impacto no "ecossistema" empresarial. No entanto, afirma que "com os dados que tenho acho que vai acabar por acontecer novo acordo entre os trabalhadores e a Administração". 

Montepio: Foi Santana Lopes (enquanto Provedor) que apresentou ao Governo a ideia de que a Santa Casa poderia ter um papel no sector financeiro e foi o Governo a indicar o Montepio, esclarece. Vieira da Silva critica o que considera ser "um enorme desconhecimento" daqueles que têm falado sobre este assunto porque "em toda a Europa existem instituições financeiras do sector social!". 

Raríssimas: O ministro do Trabalho garante que nunca sentiu nenhuma pressão por parte do primeiro-ministro, não acredita que António Costa tivesse um “plano B” nem nunca ponderou demitir-se. O Ministro insiste que nunca nada lhe chegou sobre uma eventual gestão danosa por parte da antiga presidente da instituição e agora espera, tal como já aconteceu noutras situações, que a avaliação das investigações sob a sua alçada, possa desembocar no Ministério Público.  

Pode ver o vídeo integral desta entrevista aqui:

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.