Mariana Mortágua deseja a derrota de Le Pen

| Maria Flor Pedroso
Mariana Mortágua deseja a derrota de Le Pen

A 4 dias das eleições francesas, a bloquista Mariana Mortágua, vice-presidente da bancada parlamentar do Bloco de Esquerda, em entrevista à jornalista Maria Flor Pedroso, da Antena1, afirma que não se quer pôr na situação de escolher nas eleições presidenciais do próximo domingo em França, mas é taxativa: "Quero que Le Pen perca, e respeito e confio muito em quem já fez o seu voto anti-fascista (em Mélenchon)".

Pode ver aqui toda a entrevista:



A deputada acusa o candidato, que já foi ministro de Hollande, de não fazer qualquer aproximação à esquerda e que as suas políticas dão "Le Pens e Trumps".
Economia portuguesa
A porta-voz do Bloco para as questões económicas exige que os bons números da economia portuguesa sirvam para dar maior folga na discussão do Orçamento para 2018. Exemplifica com o salário mínimo, não aceitando a sua subida faseada, como o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, deu a entender em entrevista à Antena 1 há 15 dias ."É preciso garantir que esse aumento vem em cada janeiro, em 2018 e 2019, e nem quero ponderar que não seja assim".


Sem avançar um valor global de redução do IRS - "imagine que depois conseguia mais" -, Mariana Mortágua não exige os anteriores oito escalões (agora são cinco), mas aceita a ideia de sete escalões, dando a entender que poderá ser a proposta bloquista para a discussão do OE2018. 

"Preocupante" a situação dos precários da administração local
Mortágua desafia as diferentes forças políticas em Lisboa a dizer como vão tratar os precários que trabalham na Câmara Municipal de Lisboa. "Ainda mais em ano de eleições autárquicas cada força política (deve assumir) o que quer fazer e Lisboa devia dar o exemplo já que faz gala na sua boa situação financeira". A deputada bloquista considera que "são pessoas que têm a vida adiada há demasiados anos". 

Fecho de balcões da CGD
Não quer colocar-se ao lado da crítica social-democrata sobre o encerramento da filial da Caixa Geral de Depósitos em Almeida "porque se o PSD estivesse no Governo faria pior, porque a Caixa seria privatizada". Mas, acrescenta, "é claro que aquele balcão não deve encerrar se as pessoas pensam que ele é importante naquela comunidade". 


Mariana Mortágua considera que "ainda há muito no acordo (que o Bloco assinou com o PS) para ser cumprido". Mas não "não há apoios cegos".


Revela nesta entrevista à Antena1 que, nas questões laborais e financeiras "há ainda, e haverá sempre provavelmente, enormes divergências com o PS". 


Precisamente por causa das questões relacionadas com a banca, Mortágua tem uma certeza: "Não se sabe de onde mas haverá nova crise financeira, tão certo quanto a economia existir e a Europa não se proteger da próxima crise financeira". 


Nesta entrevista à Antena1, Mariana Mortágua não aceita a ideia de que o Bloco tenha mudado de posição sobre a reestruturação da dívida em palco europeu, depois do relatório do Grupo de Trabalho com o PS. Afirma que se trata da aproximação de posições, de uma proposta resultado de uma negociação política.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    A Alemanha foi a votos com uma economia próspera. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.

      Em entrevista exclusiva ao "Olhar o Mundo" aquele que já foi o mais novo primeiro-ministro da União Europeia (2014-2016) aconselha Portugal a apostar nas novas tecnologias e na juventude do país.

      O ímpeto independentista ganhou força, motivado pela crise e pelas divergências em relação ao Estatuto da Autonomia da Catalunha.