Os privados "desnataram o SNS de médicos especialistas"

| Maria Flor Pedroso
Os privados desnataram o SNS de médicos especialistas

Antena 1

O diretor-geral da Saúde defende um reforço do setor público da saúde em entrevista à jornalista da Antena 1, Maria Flor Pedroso. Francisco George critica a relação entre a ADSE e o setor privado e acusa também os privados de tirarem especialistas ao Serviço Nacional de Saúde. Uma entrevista para ouvir na íntegra na Antena 1 a partir das 10 da manhã.

Veja aqui toda a entrevista: 


A seis meses de deixar a Direção-Geral da Saúde (DGS) por limite de idade, Francisco George afirma que o setor privado "desnatou o Serviço Nacional de Saúde (SNS) de médicos especialistas". Porque há cada vez mais portugueses "que preferem os seguros de saúde".

O diretor-geral de Saúde discorda, "do ponto de vista pessoal", com o facto de a ADSE pagar a serviços privados, o que acabou "por ter efeitos negativos no SNS. Não faz sentido, mas é a realidade constitucional".

Há doze anos no cargo e há dezassete na DGS, Francisco George estranha que até hoje não se tenha conseguido explicar que o "milionário paga mais no SNS" do que quem ganha o salário mínimo. Porque falta a perceção de que "a diferença de pagamento está nos impostos que se pagam e, portanto, no ato da prestação é aparentemente gratuito para os dois mas efetivamente não é". E desabafa que se trata de um problema que, desde os tempos da fundação do SNS com António Arnaut, "nunca se conseguiu explicar".

Nesta entrevista à rádio pública, Francisco George revela que recebeu críticas de colegas médicos pela decisão que tomou sobre a vacinação contra a Hepatite A. "Até agora as reações não têm sido muito intensas, mas não havia vacinas para todos". Anuncia que os militares da GNR foram protegidos para o Mali. São "uma exceção", constatou.

Um dia depois do pré-aviso da greve dos médicos, marcada para 10 e 11 de maio, o ainda diretor-geral de Saúde não se pronuncia sobre questões sindicais, mas não a percebe, nem gosta: "Não, não, não percebo, não gosto de falar da greve dos médicos, não gosto das greves de médicos, não gosto, mas não posso falar nisso".

Francisco George, médico e epidemiologista, revela nesta entrevista à Antena1 estar disponível para uma vida política mais ativa "apesar de não ser a sua prioridade". Afirma que nunca foi sondado para ser ministro, mas também nunca se posicionou.

Sobre a atual solução governativa afirma sentir-se "representado", com uma "governação mais robusta" do que o esperado, e que "esta legislatura pode ser útil, até ao fim, e que vai traduzir-se em mais importância dos problemas sociais".

Francisco George, que passou por seis ministros da saúde, afirma que todos cumpriram bem a sua função pública. Se não era amigo passou a ser.

Mas destaca, de mote próprio, o primeiro encontro com Paulo Macedo, ministro do governo anterior, quando estava à espera de ser dispensado. Ambos se conheceram na presença do então presidente Jorge Sampaio, quando, um diretor geral dos impostos e, outro da saúde, foram condecorados. 

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.