Pedro Nuno Santos convicto na aprovação dos orçamentos

| Maria Flor Pedroso
Pedro Nuno Santos convicto na aprovação dos orçamentos

Pedro Nuno Santos, o secretário de Estado que coordena as negociações com o Bloco de Esquerda (BE) e o Partido Comunista Português (PCP), está convicto de que os orçamentos do Estado para 2018 e 2019 vão ser aprovados. "Trabalho com eles todos os dias e sei o que estamos dispostos a fazer", afirma o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, que diz em entrevista à Antena 1 não ter necessidade de ser ministro porque depende diretamente do primeiro-ministro.

Pode ver aqui toda a entrevista:


Este membro do Governo afirma, sem margem para dúvidas, que as medidas que a esquerda pede vão ter tradução já próximo Orçamento. Confirma que, no Orçamento do Estado para 2018, o IRS vai baixar, as reformas depois de 40 anos de contribuições vão ter menos penalização e que serão descongeladas as carreiras na Função Pública.

O ministro revela nesta entrevista à rádio pública que todas estas medidas terão de ser faseadas "porque têm de ter sustentabilidade e apoio popular", quer na atualização dos escalões do IRS, quer no descongelamento das carreiras e na "despenalização das reformas acima dos 40 anos de descontos".

A propósito das dúvidas de Mariana Mortágua sobre o aumento do salário mínimo, o governante disse que a deputada bloquista "teve um erro de perceção mútua".

No debate parlamentar de quarta-feira, o ministro das Finanças não respondeu. Esta manhã Pedro Nuno Santos responde na entrevista à Antena 1: "O salário mínimo vai aumentar até aos 600 euros, isso é para nós claro". Questionado, manifesta a expectativa de que não tenha de ser preciso esperar até 31 de dezembro de 2019.

Sem remissão, o Partido Socialista (PS) vai chumbar a iniciativa de referendo do PCP sobre a regionalização. E quer o PSD envolvido quando a questão se colocar. "Não há condições políticas nesta legislatura", afirma Pedro Nuno Santos à Antena 1.

A Constituição obriga a referendar a regionalização e é preciso "um PSD conquistado também para essa reforma".

Surpreendente a afirmação do Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares de que "não há nada que o Governo queira fazer que não tenha o apoio do PCP e do BE", a não ser que "comecemos a cortar salários, a cortar pensões, a privatizar o pouco que resta, a desregulamentar ainda a legislação laboral. Aí os acordos ficavam em risco e não apenas por causa do PC e do BE, mas também por causa do PS".

Nesta entrevista a Maria Flor Pedroso, Pedro Nuno Santos confessa "que não reza para que o PS não tenha maioria absoluta" e que espera que, em próximas eleições, os partidos que compõem a maioria cresçam.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.