Bruno Magalhães em terceiro no Rali de Roma adia decisão do título europeu

| Motores

|

O piloto português Bruno Magalhães terminou hoje no terceiro lugar o Rali de Roma, sétima etapa do Campeonato da Europa, mantendo ténues expectativas de poder sagrar-se campeão na última prova, na Letónia.

Magalhães, ao volante de um Skoda Fabia R5, concluiu o rali italiano com o tempo de 2:03.13,9 horas, mais 57,9 segundos do que o vencedor, o francês Bryan Bouffier, e a 57,6 do polaco Kajetan Kajatanowicz, segundo classificado, ambos em Ford Fiesta R5.

"Ficámos com o sentimento de dever cumprido. Infelizmente, a chuva não nos ajudou (...). Andámos sempre próximos dos mais rápidos. Por isso, este terceiro lugar é, para nós, fantástico", disse Magalhães, citado pela sua assessoria de comunicação.

Kajatanowicz reforçou a liderança do Europeu de pilotos, aumentando de 23 para 29 pontos a vantagem sobre o português, também graças ao sistema de bonificações, e só uma combinação de resultados improváveis poderá impedir o polaco de revalidar o título europeu.

Com 25 pontos em disputa na oitava e última prova do Europeu, que se realiza a 07 e 08 de outubro, o piloto português precisa de recorrer aos pontos de bonificação -- atribuídos em função da classificação após cada etapa -- para impedir a consagração de Kajatanowicz.

"Estamos em desvantagem, é certo, mas nos ralis tudo pode acontecer e se há hipótese matemática de chegar ao título não vou querer 'morrer na praia'. Vou fazer tudo o que estiver ao meu alcance e esperar para ver o que acontece. Não ir a jogo é dar a luta por terminada e isso eu não quero", assinalou Bruno Magalhães.

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.