A "herança" do Estado Islâmico na Síria

| Mundo
A herança do Estado Islâmico na Síria

O Estado Islâmico foi derrotado em termos territoriais, mas as marcas do Califado permanecem.

Pensar que a questão está resolvida pode ser um erro e, no terreno, as forças vencedoras têm noção desse perigo. 


A derrota final infligida em Baghouz está longe de significar o controlo total do território e das pessoas. Há quem não aceite a presença dos "novos senhores".

As cidades em ruínas são a marca visível da presença do Califado. Outra marca é a antipatia de parte da população em relação às Forças Democráticas da Síria (aliança curdo-árabe).



Nos campos onde se aglomeram os que viviam em zonas recentemente ocupadas pelo Estado Islâmico e onde também estão as mulheres e crianças das famílias dos combatentes, não é difícil encontrar quem defenda com veemência um Estado Islâmico, onde a Sharia (Lei Islâmica) seja a única lei.

A reportagem, na Síria, é do jornalista da Antena 1, José Manuel Rosendo.

Fotos: José Manuel Rosendo/Antena 1

A informação mais vista

+ Em Foco

A RTP ouviu os seis lideres partidários sobre temas que escapam aos programas políticos e que contribuem para definir o perfil dos candidatos.

    Uma sondagem da Universidade Católica aponta para o fim da hegemonia laranja na Madeira, apesar da vitória do PSD nas regionais (38%) do próximo domingo.

    Na semana em que se assinala o início da II Guerra Mundial, a RTP conta histórias de portugueses envolvidos diretamente no conflito.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.