Acordo de Paris é importante mas apenas o início, afirma especialista português

| Mundo

O especialista em alterações climáticas Filipe Duarte Santos considerou hoje "muito importante" o acordo alcançado na cimeira de Paris, mas alertou que este compromisso "não é o fim, mas o início do processo" para evitar o aquecimento global.

Contactado pela agência Lusa, o professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, também especialista em alterações globais e desenvolvimento sustentado, salientou que apesar de ser "muito significativo", o acordo "ainda não chega".

Filipe Duarte Santos apontou que o acordo não irá evitar que se ultrapasse os dois graus centígrados de aumento da temperatura média global da atmosfera à superfície, mas conduzem, sim, a um aumento, em 2100, de três graus".

Destacou, no entanto, o passo dado pela maioria dos países: "Pela primeira vez assinaram 186 em 195 países, o que é muito importante", salientou.

"Pela primeira vez existem compromissos da esmagadora maioria dos países para reduzir as emissões de gases com efeitos de estufa para a atmosfera, de forma a travar as alterações climáticas", sublinhou.

Sobre a ideia de que este passo representa o início do processo e não o fim, Duarte Santos explicou:"Há muito a fazer a partir daqui. Espera-se que seja um sinal muito claro para as empresas, sobretudo para o setor da energia começar efetivamente a apostar numa transição energética, em que se use menos combustíveis fósseis, como o carvão, petróleo e gás natural, e se utilizem mais energias renováveis".

O professor universitário alertou que não vai ser possível gastar todos os combustíveis fósseis que existem no subsolo: "Se fizessemos isso, a temperatura aumentava muito mais, quatro a cinco graus".

Relativamente às alterações climáticos que se estão a fazer sentir em Portugal devido aos efeitos de estufa, o especialista disse que são visíveis em toda a Península Ibérica desde os anos 1960.

"Temos observado diminuição anual da precipitação média, o que faz com que cada vez mais regiões se tornem semi áridas. Por outro lado, surgem mais inundações graves, como as que aconteceram no Algarve este ano", recordou.

A Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP21) aprovou hoje um acordo global vinculativo em que países tanto desenvolvidos como em desenvolvimento, se comprometem a caminhar para uma economia de baixo carbono e tomarem medidas para limitarem o aquecimento global da atmosfera até 2100 a 1,5 graus celsius, em relação aos valores médios da era pré-industrial.

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma sondagem da Universidade Católica aponta para o fim da hegemonia laranja na Madeira, apesar da vitória do PSD nas regionais (38%) do próximo domingo.

Na semana em que se assinala o início da II Guerra Mundial, a RTP conta histórias de portugueses envolvidos diretamente no conflito.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.