Alemanha quer novas conversações de paz na Ucrânia

| Mundo

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse hoje ao presidente ucraniano, Petro Poroshenko, que quer lançar novas negociações sobre o processo de paz na Ucrânia no mesmo formato dos Acordos de Minsk.

Segundo a agência alemã DPA, Merkel disse a Poroshenko querer que ambos participem, tão breve quanto possível, em conversações com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o presidente de França, Emmanuel Macron, sobre a persistente violência no leste ucraniano.

Os quatro países negociaram o chamado Acordo de Minsk, de 2015, que permitiu pôr fim aos combates em grande escala entre tropas ucranianas e separatistas pró-russos, mas não impediu que os confrontos continuassem.

Angela Merkel manifestou preocupação com o aumento das violações da trégua depois da Páscoa e frisou que "a segurança é condição prévia para desenvolvimentos políticos".

Merkel e Poroshenko, que se reuniram hoje em Berlim, concordaram que não há alternativa aos acordos de Minsk.

A negociação política do conflito no leste da Ucrânia encontra-se bloqueada há meses devido em grande parte a contínuas e reciprocas acusações de violações ao cessar-fogo.

Os Acordos de Minsk contemplam uma trégua estável com a retirada do armamento pesado e a introdução de reformas políticas para possibilitar eleições regionais nas zonas controladas pelos rebeldes pró-russos.

Kiev sustenta que não é possível alcançar progressos nos aspetos políticos do plano de paz enquanto a Ucrânia não assumir o controlo da parte fronteiriça com a Rússia, atualmente nas mãos das milícias pró-russas.

Segundo dados da ONU, nos três anos de conflito no leste da Ucrânia, foram mortas cerca de 10.000 pessoas, entre combatentes e civis.

Tópicos:

Minsk,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.